Vale tanto como um T2 e é a menina dos olhos de Joaquim Ferreira. O mamedense é um amante das autocaravanas e, desde 6 de junho, conta com uma estação de serviço para a sua Fiat bem perto de casa. A ideia surgiu-lhe há uns anos e foi transmitida em jeito de desafio ao então presidente da Junta de S. Mamede José Ferreira. Agora a liderar a Vila do Coronado, o autarca viu na Quinta de S. Romão o local ideal para realizar o projeto, que foi inaugurado perante a presença de mais de duas centenas de autocaravanistas.
As obras, segundo José Ferreira, tiveram um custo “irrisório”, na ordem dos “500 ou 600 euros” e contemplaram “a construção de uma plataforma em cimento com escoamento de águas pluviais e sanitárias para a rede de esgotos e a criação de três pontos de luz para autocaravanas que ainda não são autossuficientes”. O resto, a Natureza encarrega-se de proporcionar, graças ao grande espaço verde existente na Quinta, com diversas árvores existentes.
Para o autarca, o custo da obra é inversamente proporcional ao impacto que esta pode causar na freguesia. “Nestes dois dias (5 e 6 de junho), já pudemos constatar a dinâmica que os autocaravanistas trouxeram ao comércio local e à restauração. Esperamos um movimento constante, porque o autocaravanista, como tem mobilidade, é um turista que se desloca durante todo o ano. Estamos a contar que a nossa Vila seja visitada por muita gente de dentro e fora do país”, sublinhou.
O dia ficou também marcado pelo anúncio de um encontro de autocaravanas no próximo ano no Coronado.

Estação de serviço mais próxima do Porto

Na Quinta de S. Romão mora agora a terceira estação de serviço gratuita no distrito do Porto – as outras estão em Penafiel e Paredes – e a que está mais perto da cidade Invicta. A inauguração contou com quase 70 autocaravanas e só não foram mais, porque havia “um evento a decorrer em paralelo”, explicou o presidente o Grupo Autocaravanista Português. Joaquim Mendes considera que o Coronado só tem a ganhar com este projeto: “O turismo não é só hotelaria. Há outras vertentes, como o turismo itinerante, do qual ainda muita gente desconhece as capacidades financeiras. A curto prazo, esta pequena infraestrutura irá transpor todo o investimento feito”.
A proximidade do local à estação de comboios é uma das grandes potencialidades. “Este parque tem área fechada, o que dá total segurança aos autocaravanistas, mesmo aos estrangeiros que quiserem visitar toda a região do Grande Porto. Através da linha ferroviária podem visitar vários pontos históricos e permanecer no Coronado por dois ou três dias”, explanou.

As coordenadas GPS da estação de serviço (41.2778870966517, -8.549718260765076)