Dar continuidade a uma obra que coloca “no topo” a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Trofa é o “grande desafio” de Pedro Ortiga, novo presidente empossado esta segunda-feira.

O sucessor de Amadeu Castro Pinheiro, que assumiu as funções na Mesa da Assembleia da associação, assume a “grande responsabilidade” de tomar o lugar de alguém que fez em 31 anos o “que não há possibilidade de repetir”.

Perante vários representantes de outras associações humanitárias do distrito do Porto, a nova direcção tomou posse e comprovou a “total confiança” depositada pelo presidente cessante.

E mais do que aguentar com a responsabilidade de substituir uma pessoa que estará para sempre marcada pela grande obra que fez, Pedro Ortiga sente ainda o peso de ser dirigente de uma associação “com grande dimensão e prestígio nacional”.

tomada-posse-bombeiros

O novo presidente não pretende “ser o espelho” de Amadeu Castro Pinheiro, até porque “o enquadramento é distinto, quer ao nível económico, quer ao nível legislativo e as exigências são outras”.

“Queremos dar continuidade a uma obra que é reconhecida por todos e colocar esta associação no patamar que sempre esteve e que nós queremos continuar a merecer”, referiu.

Pedro Ortiga anunciou ainda que os projectos da associação têm várias vertentes e uma delas passa pela “sustentação daquilo que é a plataforma de gestão de recursos, que cada vez mais tem que ser rigorosa, profissional, para se tornar cada vez mais eficiente”. E não é por ser uma associação voluntária que a fasquia é menor: “A estrutura e a dimensão desta associação traz-nos responsabilidades que, independentemente da associação ser voluntária ou não, exigem um cariz profissional naquilo que é a sua actuação”.

A nova direcção pretende ainda colocar no terreno “projectos prementes” e que já vêm do mandato anterior, como a remodelação da central de comunicações e a criação de condições e infra-estruturas para albergar com qualidade e condições de segurança o corpo feminino de bombeiros.

Está também previsto o apetrechamento da “formação e investimento contínuo” na creche, a qual sofreu, recentemente, remodelações nas instalações.

“O que queremos com esta direcção é continuar a criar condições para que todos os colaboradores e elementos possam passar a imagem de serviço que esta associação gosta de prestar no dia-a-dia à população e essa é a nossa principal missão, criar essas condições para que tudo possa funcionar a cem por cento”, sublinhou Pedro Ortiga.

Amadeu Castro Pinheiro agradeceu “a todos os órgãos sociais que durante 30 anos pertenceram a esta casa” e a todos os comandantes e bombeiros “sem excepção”. A directora da Creche dos Bombeiros também não foi esquecida nos agradecimentos, assim como os cerca de sete mil sócios com as cotas em dia e todas as Juntas de Freguesia “que estiveram sempre do lado da associação”.

O agora presidente da Mesa da Assembleia deixou uma palavra de “esperança e de força” à nova direcção: “Os órgãos que foram eleitos são pessoas capazes, competentes, dinâmicas, vão continuar a dar a esta associação tudo o que ela precisa. Eu confio em vós, espero que o povo da Trofa saiba compreender que orientar uma associação deste género, com esta grandiosidade não será fácil”.

Joana Lima agradeceu trabalho da direcção anterior

A presidente da Câmara Municipal da Trofa, Joana Lima, esteve presente na cerimónia de tomada de posse da nova direcção da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Trofa e não deixou de agradecer, “enquanto filha da terra e autoridade máxima municipal”, o trabalho desenvolvido pela direcção anterior. “Saio daqui satisfeita por ouvir o senhor comendador (Castro Pinheiro) dizer missão cumprida”.

A edil reconheceu ainda as “qualidades humanas e técnicas” de Pedro Ortiga, que dão provas que tem capacidade para substituir o anterior presidente.

“Tenho a certeza que a direcção é forte, coesa, unida e com vontade de fazer melhor. Tenho a certeza que a Trofa ficará muito bem representada por esta nova direcção, porque quase todos vêm da direcção anterior e a escola foi muito boa”, concluiu.