quant
Fique ligado

Noticias

Conselho de Ministros: Costa apresenta medidas para combater a inflação

Publicado

em

A reunião do Conselho de Ministros extraordinário para aprovação de medidas de apoio às famílias para combater os efeitos da inflação começou pelas 15:00.

Acompanhe aqui a conferência de imprensa em direto.

O custo total do plano foi anunciado hoje pelo primeiro-ministro, António Costa, em conferência de imprensa, após o Conselho de Ministros, em Lisboa.

O primeiro-ministro indicou que os 2.400 milhões de euros somam-se aos 1.600 milhões de euros em apoios mobilizados até setembro, elevando este ano para 4.082 milhões de euros o valor total dos apoios anunciados para responder à crise.

António Costa apresentou oito novas medidas adicionais para apoiar os rendimentos das famílias e ajudá-las a suportar o aumento do custo de vida:

  • 125€ por pessoa com rendimento bruto mensal até 2.700€, pagos em outubro. “Todos aqueles que contribuem para o IRS vão ser pagos da mesma forma como recebem os retornos do IRS, ou seja, na conta bancária que indicaram à administração tributária. Os que são beneficiários da Segurança Social, na conta bancária que está associada à Segurança Social”, explicou António Costa;
  • 50€ por criança/jovem (para todos os dependentes até aos 24 anos), independentemente do rendimento da família, pagos em outubro, tal como referido no ponto anterior;
  • Os reformados vão receber um suplemento extra equivalente a meio mês de pensão pago de uma só vez, já em outubro;
  • Vai ser proposto à Assembleia da República que o IVA da eletricidade baixe de 13% para 6%, a partir de outubro de 2022 e até dezembro de 2023. A descida da taxa do IVA é uma medida reclamada pela generalidade dos partidos da oposição e segue o exemplo de outros países da União Europeia, aproveitando a abertura de Bruxelas que, desde abril, permite aos Estados-membros aplicar a taxa reduzida do IVA sem ter de consultar o Comité do IVA;
  •  A transição para o mercado regulado do gás vai permitir um desconto de 10% nas faturas (uma medida que já tinha sido anunciada);
  • Até ao final do ano vai estar suspensa a taxa de carbono e a devolução aos cidadãos da receita adicional de IVA nos combustíveis. Em cada depósito de 50 litros, os consumidores pagarão menos 16€ em gasóleo e menos 14€ em gasolina;
  • O Governo vai criar um travão à subida das rendas em 2023, limitando o aumento a 2% e impedindo que estas subam em linha com a inflação. Este travão às rendas será acompanhado de uma vertente fiscal dirigida a mitigar o impacto da medida junto dos senhorios;
  • Os preços dos transportes vão ser congelados, sendo assim mantido o preço dos passes urbanos e das viagens da CP em 2023;
  • O Governo vai propor à Assembleia da República o aumento de 4,43% nas pensões até 886€, de 4,07% entre 886€ e 2659€ e de 3,53% noutras pensões sujeitas a atualizações.

Costa afirma que metas do défice da dívida vão ser cumpridas em 2022

Costa afirmou que as oito “medidas adicionais” de apoios sociais para fazer face à inflação, no valor de 2.400 milhões de euros, não colocarão em causa as metas do défice e dívida em 2022.

De acordo com o primeiro-ministro, as medidas agora anunciadas pelo Governo envolvem 2.400 milhões de euros e, no total, o plano do executivo para fazer face aos efeitos da inflação já atinge os quatro mil milhões de euros.

A seguir, António Costa salientou que o conjunto das medidas, apesar dos efeitos no aumento da despesa, mesmo assim não irá colocar em causa as metas macroeconómicas do executivo ao nível da dívida e do défice em 2022.

Publicidade

“Com o aumento das taxas de juro, estas medidas são tomadas no momento certo, com segurança. Tomamos estas medidas com a certeza de que com aquilo que ganhamos hoje não vamos perder amanhã”, sustentou.

Costa salienta segurança no momento da adoção das medidas e prudência face à despesa

O primeiro-ministro considerou ainda que as novas medidas de apoio social foram “calibradas” em termos de impacto na despesa e salientou que vão entrar em vigor já quando existem garantias em termos de segurança nas contas públicas.

Perante os jornalistas, no final de um Conselho de Ministros extraordinário, que decorreu no Palácio da Ajuda, em Lisboa, o líder do executivo procurou justificar a razão de o Governo só agora, em setembro, ter adotado mais medidas para atenuar os efeitos da inflação, assim como o facto de os apoios agora anunciados não terem um caráter estrutural em termos de impacto na despesa.

“Estamos a adotar um apoio extraordinário que foi calculado tendo em conta a capacidade que o Estado tem fruto da evolução da economia e, sobretudo, do emprego ao longo deste ano. Adotamos estas medidas sem afetar todas as outras medidas previstas no Orçamento e sem afetar os objetivos de redução do défice e da dívida”, declarou.

Estas medidas de apoio social, na perspetiva do líder do executivo, correspondem à capacidade que o Governo tem de apoiar “de forma muito forte as famílias neste ano em que o seu poder de compra tem estado a ser duramente atingido”.

“Mas ninguém pense que há medidas milagrosas que possam responder àquilo que tem sido um aumento inesperado, inusitado, absolutamente extraordinário, da inflação, algo que já não se via há 30 anos. E temos de fazer este esforço de apoiar o poder de compra das famílias sem simultaneamente estarmos a alimentar a própria inflação”, advertiu.

Nesse sentido, de acordo com o primeiro-ministro, as medidas agora adotadas pelo Governo “foram muito bem calibradas”.

Publicidade

Depois, de forma indireta, respondeu às críticas do PSD, que considerou tardia a adoção destes apoios para atenuar os efeitos da inflação junto das famílias.

“Tinham de ser tomadas agora e não antes porque é agora que se dispõe da informação suficiente para com segurança se concluir que é possível fazer isto sem colocar qualquer risco em relação aos outros objetivos orçamentais, designadamente para a redução da dívida pública, sobretudo num contexto em que as taxas de juro do Banco Central Europeu (BCE) estão a subir”, acrescentou.

Presidente da República já promulgou medidas de apoio às famílias

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, já promulgou o diploma do Governo que estabelece medidas excecionais de apoio às famílias para mitigar os efeitos da inflação.

De acordo com uma nota publicada no sítio oficial da Presidência da República na Internet, o chefe de Estado promulgou também o diploma do Governo que permite o regresso dos clientes finais de gás natural com consumos anuais inferiores ou iguais a 10.000 m3 ao regime de tarifas reguladas.

Continuar a ler...

Edição 774

Concurso de árvores de Natal com mais de 500 euros em prémios

Desta vez, o desafio é para que a comunidade se associe através da decoração de árvores de Natal, utilizando materiais reciclados.

Publicado

em

Por

“Cria uma árvore, colhe um sorriso”. Com este mote, a delegação da Trofa da Cruz Vermelha Portuguesa lançou mais um concurso no âmbito do projeto CLDS Trofa 4GIR.

Desta vez, o desafio é para que a comunidade se associe através da decoração de árvores de Natal, utilizando materiais reciclados.

Há quatro prémios para atribuir, com valores que vão dos 50 aos 250 euros. As inscrições devem ser feitas até 28 de outubro, através do link https://bit.ly/3SBM7au e as árvores, que devem ter um metro de altura e 50 centímetros de largura, devem ser entregues na sede da delegação da Cruz Vermelha, em Santiago de Bougado, até 25 de novembro.

Continuar a ler...

Trofa

Exposição sensibiliza para igualdade de género

O auditório Tomé Carvalho, na sede da Cruz Vermelha da Trofa, recebe, a 6 de outubro, uma nova exposição.

Publicado

em

Por

O auditório Tomé Carvalho, na sede da Cruz Vermelha da Trofa, recebe, a 6 de outubro, uma nova exposição. Trata-se de uma mostra fotográfica, denominada “Na pele d@s ≠ ´s”, um projeto da Câmara Municipal da Trofa integrante do Plano Municipal para a Igualdade e a Não Discriminação (PMIND). “Sensibilizar a comunidade para a importância da igualdade de género e não discriminação, procurando combater a reprodução das desigualdades e promover comunidades mais justas, inclusivas e democráticas” é o objetivo da exposição.
A inauguração está marcada para as 15h00 de 6 de outubro e exposição podem ser vista até 31 de outubro.

Continuar a ler...

Edição Papel

Comer sem sair de casa?

Facebook

Farmácia de serviço

 

arquivo

Neste dia foi notícia...

Ver mais...

Covid-19

Pode ler também

} a || (a = document.getElementsByTagName("head")[0] || document.getElementsByTagName("body")[0]); a.parentNode.insertBefore(c, a); })(document, window);