Contrariamente a outros anos, o Dia do Trabalhador, 1 de maio, não ficou marcado pelas manifestações, mas sim pela afluência de pessoas ao Pingo Doce, pelos descontos praticados.

A data 1 de maio de 2012 ficará marcada para sempre na memória de grande parte dos portugueses. Pelo menos, daqueles que não deixaram passar a oportunidade de fazer compras superiores a cem euros com 50 por cento de desconto. A campanha de descontos que o Pingo Doce, do Grupo Jerónimo Martins, protagonizou nesse dia fez com que as lojas espalhadas pelo país fossem inundadas por pessoas, desde a sua abertura até ao fecho.

Na Trofa, os dois supermercados do grupo receberam a visita de milhares de pessoas, que, em tempos de crise, não quiseram desperdiçar esta oportunidade. Antes do horário de abertura, já havia fila de pessoas à espera para entrar, depois do espaço abrir, as pessoas esperaram em média quatro horas para efetuar o pagamento das compras.

Eram cerca das 18 horas, quando a Guarda Nacional Republicana da Trofa foi chamada ao Pingo Doce, situado em Santiago de Bougado, por pessoas que se queixavam de ser impedidas de entrar, quando o horário de funcionamento fixado aponta o encerramento para as 21 horas. No entanto, as autoridades preferiram manter as portas fechadas, por questões de segurança.

{fcomment}