Com o início do novo ano escolar verificaram-se algumas alterações na gestão dos estabelecimentos do Agrupamento Vertical das Escolas da Trofa. Para além de algumas obras de beneficiação está prevista uma pequena “revolução” tecnológica na EB 2,3 Professor Napoleão Sousa Marques, com a instalação da rede informática em todas as salas e quadros interactivos.

 

paulino.jpg

Durante o ano lectivo que agora começa cerca de 1900 alunos vão frequentar as escolas básicas do Agrupamento Vertical das Escolas da Trofa. A mais representativa é a EB 2,3 Professor Napoleão Sousa Marques, com 708 alunos.

Paulino Macedo lidera o Agrupamento Vertical das Escolas da Trofa, que é composto pelas escolas básicas de Bairros, Cedões, Cidai, Esprela 1 e 2, Finzes, Paradela, Lagoa e Paranho e pela EB 2,3 Professor Napoleão Sousa Marques.

A preparação do novo ano lectivo foi feita à semelhança dos anos anteriores, com a organização das turmas e respectivos horários e a integração de docentes necessários para todos os estabelecimentos abrangidos por este agrupamento.

Os alunos do pré-escolar, 1º ano e 5º ano de escolaridade tiveram a sua aula de recepção na passada quarta-feira, enquanto os restantes anos do ensino básico primário e o 6º ano têm recepção esta quinta-feira. O terceiro ciclo terá a recepção na sexta-feira.

Com o início do novo ano lectivo, direcção deparou-se com algumas dificuldades, nomeadamente “motivadas pelo atraso de obras de recuperação e reinstalação da Biblioteca na Escola dos 2.º e 3.º ciclos, e dificuldades de colocação de alguns docentes em algumas escolas do Agrupamento”, referiu Paulino Macedo, em entrevista ao NT. No entanto o responsável tem “informações da parte da Direcção Geral de Recursos Humanos da Educação que os docentes serão colocados até ao primeiro dia de aulas”.

“Tudo faremos para minimizar eventuais necessidades e contribuir para que seja o mais normal possível o arranque de mais um ano lectivo”, acrescentou.

No período de interrupção lectiva, nos meses de Julho e Agosto, a Escola EB 2,3 Professor Napoleão Sousa Marques sofreu algumas obras de recuperação, dando seguimento à candidatura, no âmbito dos arranjos e pinturas exteriores das escolas, apresentada ao Ministério da Educação. Para a primeira quinzena de Setembro está agendada a instalação de rede informática para todas as salas de aulas e posteriormente o apetrechamento da Escola com quadros interactivos.

Por seu lado, nas escolas do pré-escolar e 1º ciclo decorrem obras de beneficiação, sob responsabilidade da Câmara Municipal da Trofa, na EB 1 de Esprela, para a instalação de um jardim-de-infância (JI), e na EB 1/JI de Bairros, para o reequipamento da biblioteca integrada na Rede de Bibliotecas Escolares.

Ao nível da organização escolar também se verificaram alterações que “introduziram mudanças no modo de pensar a Escola”. Paulino Macedo adiantou que “todas estas alterações surgem num contexto de contra-ciclo social e organizacional. Quando as funções da Escola se alargam e complexificam; quando cresce o número de alunos que está na Escola porque não tem qualquer alternativa (social e/ou profissional) e muitas vezes não tem vontade de aprender, é quando a regulamentação da actividade das Escolas se torna mais dura e exigente”.

Do ponto de vista tecnológico, para além do apetrechamento das salas de aula com rede informática e quadros interactivos a escola pretende o “melhoramento das condições físicas da utilização dos cartões electrónicos de modo a torná-los mais eficientes”.

Relativamente ao apoio do governo às escolas portuguesas, Paulino Macedo sublinhou que o “investimento do Estado público nunca será desperdício”. O responsável considera que “depois dos investimentos dos anos 80 e 90, para a generalização e democratização da escolaridade, está na hora de investir na qualidade da educação”.

Como principais limitações, Paulino Macedo apontou “as instalações físicas, a falta de salas normais e específicas em algumas escolas do Agrupamento, concretamente na EB 2,3 Professor Napoleão Sousa Marques, EB1/JI do Paranho e EB 1/JI de Finzes”.

Cátia Veloso