No Centro Comunitário da Trofa, valência da Associação de Solidariedade e Acção Social de Santo Tirso (ASAS), as crianças e os idosos convivem lado a lado, todos os dias.

Actividades não faltam para ocupar os tempos livres de miúdos e graúdos que entram no Centro Comunitário da Trofa de sorriso nos lábios. As actividades começam pela tarde. À segunda-feira os primeiros a chegar ao espaço são os componentes do Grupo de Cantares que vêm para ensaiar. As crianças chegam mais tarde.

Prestes a comemorar nove anos ao serviço da comunidade trofense, no centro não há dedos das mãos que cheguem para contar as ajudas que já foram prestadas. “Já intervimos com cerca de 1100 utentes no Centro Comunitário ao longo dos nove anos, é um número razoável”, disse ao NT José Paulo Nunes, coordenador do Centro Comunitário da Trofa.

Os números são um orgulho, mas o que satisfaz os sete elementos e os voluntários que trabalham neste espaço é sorriso no rosto daqueles que mais precisam. Um psicólogo, um educador, um assistente social, uma administrativa, dois animadores sócio-culturais e uma auxiliar de serviços gerais são apenas os funcionários do espaço que contam também com a ajuda de pelo menos mais quatro voluntários para desenvolver um sem número de iniciativas para as crianças e idosos.

“Combater a solidão” é o objectivo das actividades desenvolvidas para os mais velhos, que nem pela idade já ir avançada, se recusam a baixar os braços. Exemplo dessa vivacidade é o ateliê de informática que decorre uma vez por semana no espaço e onde alguns idosos aprendem a estar “mais actualizados”. “Eles são muito activos e têm vontade de aprender, alguns já têm email e trocam informações uns com os outros”, contou José Paulo Nunes.

No ateliê de alfabetização, dinamizado pela professora Ana Maria muitos são aqueles que aprendem a ler e a escrever. E por falar em aprender, no ateliê dos bordados, as senhoras despertam as tradições antigas e dão aos dedos para bordar.

E para os que ainda têm uma réstia de energia para gastar, o Centro Comunitário tem uma parceria com o Complexo Tropical e três vezes por semana faz o transporte dos idosos para a piscinas. Mas não é só: “Temos um grupo de cerca de 20 idosos a frequentar, duas vezes por semana, a ginástica sénior promovida pela Câmara Municipal da Trofa e no final temos ainda os treinos de Boccia Sénior”.

Nesta última actividade o êxito já ultrapassa as paredes do Centro Comunitário. “Participámos no Campeonato Nacional de Boccia, na Taça de Portugal, já há cerca de dois anos”, explicou o responsável pelo espaço.

Grupo de Cantares lança CD de música popular

O Grupo de Cantares do Centro Comunitário da Trofa vai lançar um CD com todas as músicas que têm cantado nos últimos anos. O grupo de 32 elementos esbanja orgulho em cada nota cantada ao estilo popular português.

“O CD já está gravado. Neste momento estamos em contacto com a Sociedade Portuguesa de Autores, para receber as licenças de utilização de algumas músicas”, explicou José Paulo Nunes.

“Lutámos muito para que isto fosse avante e estamos muito felizes”, adiantou Clara Oliveira que garantiu levar cópias do CD para todas as amigas. Maria Rosa Jesus acredita no projecto: “É muito importante para divulgar a música e aquilo que fazemos”.

Mas José Coelho vai mais longe: “Este CD é uma via de cativar pessoas que gostam da música tradicional portuguesa, os mais velhos naturalmente, mas esperamos que os mais novos também possam aderir”.

O lançamento do CD será, se tudo correr como planeado, nas comemorações do 9º aniversário do Centro Comunitário, em Novembro.

Estudar e Brincar no Centro Comunitário

A correr, todos os dias entram pela porta os mais novos que vêm da escola. “Aqui as crianças são apoiadas ao nível do estudo, na realização dos trabalhos de casa, na exploração de algumas dificuldades que possam ter e quando acabam, têm aqui algumas actividades desportivas, jogos pedagógicos para estarem ocupados até os pais chegarem ao final a tarde”, explicou José Paulo Nunes.

Para os mais pequenos foi também criado no mesmo espaço um Grupo de Educação Solidária, constituído, maioritariamente, por crianças que foram sinalizadas por fazerem parte de contextos familiares de risco. “Dividimos o grupo em duas dinâmicas em termos de intervenção, por um lado damos o apoio à escola, porque sabemos que um número significativo de crianças têm dificuldades de aprendizagem, e por outro desenvolvemos a parte lúdica e recreativa, direccionada para problemas que em concreto são sinalizados”, adiantou o responsável.

Para todas as idades, no Centro Comunitário também se desperta o gosto pela música. No ateliê de música, às segundas-feiras à noite, aprende-se a tocar instrumentos musicais.

Os Projectos que transformam uma vida

O Centro Comunitário da Trofa está também envolvido em dois projectos que pretendem prevenir a toxicodependência e (re)inserir aqueles que tentam livrar-se deste tipo de vício.

O Plano Municipal de Prevenção de Toxicodependência é um dos exemplos dos programas criados pelo Instituto da Droga e da Toxicodependência que pretende com as crianças alertar para os malefícios da toxicodependência. Este programa é desenvolvido com turmas da Escola EB 2/3 Professor Napoleão Sousa Marques.

É desenvolvido ainda o projecto “(Re)inserir na Trofa” cujo objectivo é acompanhar um conjunto de pessoas de todas as freguesias do concelho que estejam envolvidas nas problemáticas da droga e alcoolismo. “As pessoas são acompanhadas através de ateliês de expressão plástica, de cerâmica e de um grupo de auto-ajuda, que funciona todas as semanas”, explicou José Paulo Nunes.

A progressão é visível, uma vez que os envolvidos começam a desenvolver “um projecto de vida melhorado devido à abstinência dos consumos”. No entanto a tentativa de integrar estas pessoas profissionalmente “não está a ser fácil”. Mas o Centro Comunitário não desiste e José Paulo Nunes garante iniciar brevemente “uma campanha de divulgação junto dos empresários”.

Para além destes projectos o Centro Comunitário da Trofa acompanha ainda 300 processos de agregados familiares com o Rendimento Social de Inserção, entre outros, na Loja Social, à quinta-feira. “A procura do Gabinete de Acção Social tem aumentado, sentem-se as dificuldades que as famílias vão progressivamente sentindo”, frisou.

Para os mais desfavorecidos existe ainda um serviço de balneário e lavandaria. “São pessoas que estão na rua, ou que em casa não têm condições para fazerem a sua higiene pessoal e que aproveitam os nossos serviços. Quanto ao serviço de lavandaria, as pessoas podem trazer a roupa aqui e é por nós lavada e secada e depois entregue”, explicou o responsável. No espaço fazem ainda a recolha de todo o tipo de bens que possam ser doados a famílias referenciadas pelo Centro Comunitário da Trofa, situado na Rua António Sérgio, em Valdeirigo, freguesia de S. Martinho de Bougado.