“Para uma vida melhor” a CDU apela à “ruptura e à mudança”. Sábado, os membros do Partido Comunista da Trofa e o deputado eleito pelo distrito do Porto, Honório Novo, visitaram o Mercado/Feira, em S. Martinho de Bougado, e mostraram disponibilidade para “ajudar a Trofa”.

Uma feira muito menos ocupada, feirantes desanimados e poucas pessoas a comprar foi o cenário com que se depararam os membros da CDU da Trofa e o deputado da Assembleia da República, Honório Novo, que visitaram a Feira/Mercado em S. Martinho de Bougado.

“Ao longo destes contactos que fazemos nas feiras com os pequenos comerciantes, com as pequenas empresas, nós apercebemo-nos e confirmamos aquilo que dizemos do distrito e a nível nacional, que há cada vez menos dinheiro, cada vez menos emprego e portanto menos dinheiro para que as pessoas possam fazer as suas compras”, referiu Honório Novo, em entrevista exclusiva ao NT/TrofaTv.

Para o deputado, que nestas eleições se recandidata para defender os interesses dos portuenses, “o país atrofia-se, não se desenvolve e o distrito tem sofrido um retrocesso e uma degradação económica e social”.

Honório Novo foi ainda mais longe e afirmou: “Sei que a Trofa sabe e os trofenses sabem que não é preciso haver eleições para os eleitos da CDU virem à Trofa ajudar a resolver por exemplo os problemas da plataforma logística, eu sei que houve alguém que prometeu a plataforma logística para ontem e ela nem para amanhã vai ser. Mas também vimos cá para resolver os problemas da poluição da Savinor, das escolas, das esquadras das forças de segurança e não aparecemos apenas nas eleições”. “Tenho a certeza de que os trofenses não querem mais do mesmo, já estão fartos da mesma política ao longo de tantos anos”, frisou.

Apelando ao voto na CDU, o deputado comunista garantiu: “Se em vez de dois deputados, tivéssemos três ou quatro deputados da CDU, certamente que a Estrada Nacional 104, que liga a Santo Tirso, ou então a Estrada Nacional 14, que há longos anos os trofenses dizem que deveria ser reconstruída ou desviada do centro da Trofa, já estariam porventura concluídas”.

Conceição Silva, candidata pela CDU à Câmara Municipal da Trofa, sentiu “as dificuldades das pessoas e a baixa no poder de compra dos trofenses” e prometeu estar atenta a estes problemas. “Sinto que as pessoas estão desanimadas devido à situação que se encontram, desempregadas, ou então que o dinheiro não chega para o sustento, mas temos tentado dizer que o voto em nós é uma mais-valia para que possamos mudar o rumo desta situação”, asseverou.

A candidata escolhida pela CDU para comandar a autarquia trofense prometeu ainda “lutar pelo melhor para os trofenses” e “fazer com que a Trofa cresça a nível empresarial, para as pessoas se poderem empregar”. “Sinto que as pessoas estão descontentes e vamos tentar fazer algo para a mudança”, acrescentou.

Comparando a CDU com as formigas, Paulo Queirós garantiu também que os membros do partido comunista não trabalham apenas antes das eleições: “não trabalhamos 15 dias e descansamos o resto do tempo, nós fazemos mais. Nós somos como a formiga e trabalhamos o tempo todo, muitas vezes esse trabalho não é reconhecido, mas pensamos que a população está a começar a perceber que é altura de fazer uma ruptura com a política que temos seguido”.

Na acção de campanha no Mercado/Feira da Trofa estiveram ainda os candidatos Marta Rodrigues, candidata à Junta de Freguesia de S. Martinho de Bougado, Costa Marinho, candidato à Junta de Freguesia de Santiago de Bougado, Carlos Oliveira, candidato à Junta de Freguesia de S. Mamede do Coronado, Vítor Silva, candidato à Junta de Freguesia de S. Romão do Coronado e um representante da freguesia de Guidões.