A equipa de juniores do Trofense terminou a primeira fase da 2ª Divisão Nacional em 7º lugar. Treinador fala das dificuldades de treinar com mais exigência, mas garante que há “evolução”.

A época podia estar a correr melhor, mas o facto de a equipa participar num campeonato nacional já enche de orgulho os adeptos do Clube Desportivo Trofense. Os juniores não conseguiram assegurar a presença na segunda fase da 2ª Divisão, depois da derrota na penúltima jornada com o Gil Vicente e agora vão tentar a manutenção no campeonato. Jorge Gonçalves é o timoneiro deste grupo que em relação ao ano passado está mais reduzido, mas tem revelado “um grande crescimento”. O técnico explicou que a competitividade deste campeonato “é enorme” e o “aspecto mais positivo” que retirou desta fase é que na primeira volta a formação somou quatro derrotas e na segunda apenas perdeu duas vezes, com os dois primeiros classificados. E mesmo assim, a equipa deu sempre muito trabalho aos adversários: “Com o Paços de Ferreira perdemos 5-1, mas tivemos 12 remates à baliza dentro da área, sendo que um bateu no poste. O nosso adversário teve seis remates e fez cinco golos. Revelaram a qualidade que têm em alguns finalizadores, mas mesmo assim jogaram em bloco baixo pois tiveram que levar connosco até ao fim”, explicou.

O “maior demérito” da equipa foram os empates e as maiores dificuldades foram as lesões. “Temos tido lesões de difícil resolução, algumas raras. O nosso plantel é curto, porque preferimos ter menos jogadores e manter uma qualidade maior, mas tudo isto traz dificuldades, mas, em contrapartida, também garante evolução”, frisou.

O nível de exigência “é muito grande” e os treinos são adaptados à realidade de os atletas terem partidas aos sábados e às quartas-feiras, para a Liga do Futuro, na qual jogam com os seniores.

O público num campeonato nacional também é diferente do que num distrital, referiu Jorge Gonçalves. Quando joga fora, a equipa encontra sempre “mais hostilidade”, porque “a importância dos campeonatos é outra”. Quanto ao apoio caseiro, “nem sempre” existe, no entanto o técnico compreende face à inexistência de condições que se prendem com a falta de uma bancada no complexo desportivo em Paradela. Mas, apesar de tudo, garante: “Os nossos jogos são extremamente interessantes e acho que o público pode encontrar aquilo que gosta de ver”.

Os juniores do Trofense terminam a primeira fase em 7º lugar com 30 pontos. Na última jornada golearam o Palmeira por 5-0.