Vigília pascal uniu as paróquias de Santiago e S. Martinho de Bougado, na Igreja Nova, no dia 19 de abril.

No dia em que Jesus Cristo passou da morte à vida, as paróquias reúnem-se em vigília e oração. A celebração da Vigília pascal dividi-se em quatro partes: a liturgia da luz, da Palavra, batismal e eucarística.

As paróquias de Santiago e S. Martinho de Bougado uniram-se, assim como os seus movimentos, e dinamizaram a vigília pascal na Igreja Nova, que acolheu centenas de pessoas que quiseram assistir à noite que é mais importante na liturgia. A celebração começou com a bênção do lume novo, no exterior da Igreja, com a bênção do Círio que vai ficar acesso até ao Pentecoste.

Com o círio acesso, seguiu-se em procissão até ao interior da Igreja, para ouvir a liturgia da Palavra. De seguida, houve o batismo de três adultos, depois de terem frequentado sessões de catequese para adultos. Como “não foi batizada em criança”, Margarida Pedro “há muito que ansiava ser batizada”. Encontrou-se assim com o padre Luciano Lagoa e frequentou catequese de adultos, optando por “ser batizada no tempo da Páscoa, o que é muito importante, uma vez que tinha tempo livre”. Para si, este é “um novo recomeço”, uma vez que vai “fazer parte da igreja e da comunidade” e “continuar com a vida cristã”.

Margarida Pedro aconselha as pessoas que não foram batizadas em criança a se batizarem na fase adulta, se acharem por bem”, considerando esta a “melhor” fase, uma vez que “a pessoa sabe o que realmente quer”. “A Igreja está aberta a isso, é uma questão de as pessoas optarem em serem batizadas”, frisou.

Da cerimónia fez ainda parte a bênção da água batismal, assim como a aspersão de toda a assembleia com a água benta.

Esta foi a última das celebrações do tríduo pascal, que decorreu na paróquia de S. Martinho de Bougado, entre os dias 17 e 19 de abril, na Igreja Nova.