Num jogo pautado pelo equilíbrio, o CAT foi a equipa que melhor soube aproveitar os erros do adversário e garantiu a presença nas meias-finais da Taça de Portugal, ao vencer o Ribeirense pela margem máxima, pelos parciais de 25-20, 25-18 e 26-24.

{mosimage}

 O sorteio realizado esta quarta-feira na FP de Voleibol ditou que o CAT vai jogar as meia finais com a Universidade Lusófona

{mosimage}O Clube Académico da Trofa assegurou a passagem às meias finais da Taça de Portugal, onde vai defrontar a Universidade Lusófona, depois de ter vencido o Ribeirense, pela margem máxima, num jogo bem disputado e condicente com a qualidade das equipas em confronto, que representam as melhores formações a disputar a Divisão A1 e que lutam pela conquista do título nacional. No entanto a superioridade evidenciada pelo clube da Trofa em alturas decisivas revelou-se no factor determinante para arrecadar um triunfo importante, rumo à revalidação da Taça.

O jogo disputado em S. Romão do Coronado começou com o ascendente do Ribeirense que conseguiu quebrar a série de igualdades até aos 5-5, alcançando a vantagem até aos 8-6. A formação de Manuel Barbosa reagiu, aproveitou alguns erros do adversário para colocar-se na frente do marcador e acabou por assegurar uma vitória tranquila por 25-20.

O segundo parcial revelou-se no mais desequilibrado com as atletas trofenses a garantirem o 2-0, por 25-18. Os erros do Ribeirense, no capítulo serviço, foram fatais para a equipa que com uma desvantagem difícil, defrontavam ainda uma equipa moralizada.

No parcial decisivo, o Ribeirense, à semelhança dos anteriores esteve em vantagem no primeiro tempo, mas três erros consecutivos deram a liderança às atletas de casa que conseguiram distanciar-se por quatro pontos (24-20). Quando tudo parecia decidido, o Ribeirense aproveitou alguma desconcentração evidenciada pelo adversário para chegar à igualdade pontual, mas não impediu a superioridade nos dois pontos seguintes, que deram a vitória ao CAT.

Uma vitória saborosa para o técnico trofense Manuel Barbosa que sabia da dificuldade que encontraria com este adversário, "mas as jogadoras têm dado cada vez mais mostras de grande capacidade e concentração e foi isso que aconteceu". O CAT colocou "em prática tudo o que deveria fazer para vencer" e, apesar de no último set ter acusado alguma "desconcentração", foi um "justo vencedor".

CAT começa segunda fase da A1 com triunfo

Ainda moralizada pela passagem às meias-finais, o CAT começou a Série dos Primeiros do campeonato com um triunfo sobre o Leixões. A superioridade trofense foi traduzida em parciais com vantagens folgadas, 25-15, 25-18 e 25-16 e na vitória pela margem máxima.

O confronto entre as duas formações ficou marcado pela série de cartões exibidos pelo árbitro ao técnico leixonense Luiz Souza, que viu o derradeiro set na bancada e ainda contribuiu com alguns pontos para o adversário. Relativamente ao episódio Luiz Souza considerou "injustificada" a amostragem de tantos cartões, "pois estava a falar com as atletas no que respeita aos erros de posicionamento" e sublinhou que a arbitragem , não só no feminino, mas também no escalão masculino, tem sido "uma vergonha". Quanto à prestação da equipa, "foi cumprido o objectivo de concretizar em contra-ataque e bloco", tendo em conta a diferença de nível competitivo entre as duas formações.

Por seu lado, Manuel Barbosa referiu que a equipa conseguiu uma "vitória fácil", apesar de ter acusado alguma "desconcentração nos momentos iniciais da partida".