O início das obras para a construção da Casa Mortuária e a elaboração do projecto para o Centro Comunitário, serviram de mote para a sessão ordinária da Assembleia de Freguesia de Santiago de Bougado.

O edil realçou o trabalho desenvolvido pelo executivo nos últimos meses e esclareceu algumas dúvidas da oposição. Jerónimo Torres, eleito pelo Partido Socialista – PS, fez questão de lembrar as "anomalias" ainda existentes nas campas do cemitério novo "que não têm cruzes", afirmou. Pediu ainda esclarecimentos a António Azevedo, presidente da Junta de Freguesia, sobre como se poderia adquirir o lugar de uma campa "tanto no cemitério novo, como no cemitério velho", questionando ainda o executivo sobre o escoamento das águas pluviais na Rua Aldeias de Cima, e sobre a situação na ponte sobre o Rio Trofa.assem-santiago.jpg

Irene Guimarães, também eleita nas listas do PS, questionou o executivo sobre a repavimentação de algumas ruas, assunto já abordado na sessão anterior, referindo ainda a situação em que está o Ribeiro, situado nas traseiras do Parque de Jogos da Ribeira, classificando-a como " extremamente perigosa para a população", acrescentando ainda, existência de um enorme buraco por tapar na Rua da Escola de Cidai, bem como os contentores subterrâneos do lixo prometidos na Rua das Pateiras, junto ao Edifício Nova Trofa, que "até agora não foram colocados.

Do Partido Social Democrata – PSD, interveio Manuel Campos parabenizando a Junta de freguesia pelo apoio prestado ao Atlético Clube Bougadense, à pavimentação realizada em diversas ruas da freguesia que eram em terra e pelo início das obras na Ponte Doutor Avelino Padrão.

António Azevedo respondeu em primeiro lugar a Jerónimo Torres, quanto à questão das campas sem cruz, referindo que "a colocação das cruzes não e da responsabilidade da junta, mas sim da família". Relativamente ao assunto da compra de um lugar para uma campa, o edil explicou "não vendemos nada, mas sim estabelecemos com os interessados concessões, temporárias ou perpétuas". O problema do escoamento das águas, no Rio Trofa, "está a ser resolvido, mas os lixos já estão limpos e já foram colocados pilares que seguram a ponte", esclareceu. Quanto à questão da Rua Aldeias de Cima não ter escoamento das águas António Azevedo confirmou que "a situação está a ser resolvida", assegurou.

Em resposta a Irene Guimarães, o presidente da Junta, explicou que "a prioridade são as ruas em muito mau estado, depois veremos as outras", quanto ao buraco por reparar prometeu resolver a situação o mais rápido possível e a questão dos caixotes do lixo subterrâneos, clarificou que havia caixotes naquele local, "apenas a 100 metros", porque naquela zona, "os caixotes subterrâneos que se encontravam no projecto não são muito viáveis". Quanto ao ribeiro situado nas traseiras do campo do Atlético Clube Bougadense, "está a ser estudada uma solução para ele, mas vamos ter de pedir ajuda à câmara municipal ajuda, já que é uma obra muito dispendiosa. Se assim não fosse já a tínhamos realizado", concluiu.

No primeiro ponto da ordem do dia o edil deu a conhecer algumas das actividades realizadas pela junta de freguesia, como a participação na Expotrofa, a Festa à moda antiga, o concurso do melão, a inauguração do Parque de Jogos da Ribeira, a demarcação dos limites de Santiago de Bougado, a pavimentação feita em algumas ruas.

Depois de alguns comentários tecidos pelo membro do PS, Jerónimo de Sousa, quanto a algumas destas actividades da Junta, a assembleia prosseguiu, com o início da apresentação por parte de António Azevedo, do projecto para a casa mortuária e do centro comunitário, que se irão situar por trás da igreja.

Da casa mortuária importa dizer que o projecto avançará cumprindo todas as expectativas em Fevereiro de 2009 e terá um oratório e duas salas, e "quanto ao terreno está ainda a ser negociado, para posteriormente se fazer uma permuta", acrescentou o presidente da junta. O cemitério novo, também mereceu alguma atenção nesta assembleia, onde o presidente referiu que "qualquer um que queira uma campa a título perpétuo ou temporário, poderá dirigir-se à junta, para preencher os papéis", afirmou.

O centro comunitário "está em stand by", mas já tem um projecto que engloba um bar/cantina, sala polivalente, casas de banho, balneários, salas de ATL, biblioteca, sala de descanso, sala de leitura, sala de informática e ainda as sedes de algumas associações, como o Bougado Social, associação criada pela assembleia de freguesia, o Orfeão Santhyago e os Escuteiros.

Quanto a estes dois assuntos, apenas Manuel Campos do PSD se pronunciou, tecendo variados elogios ao executivo da Junta de Freguesia, afirmando ser esta "uma das obras mais emblemáticas do meu tempo".

Seguiu-se o período de intervenção do público, onde António Quelhas, representante dos moradores do Edifício Nova Trofa, lembrou a falta de ecopontos, salientando que "os caixotes que lá se encontram estão muitas vezes a abarrotar", afirmando já ter falado com António Pontes, responsável pela empresa Trofáguas, que "prometeu os caixotes",mas até agora não foram colocados.