A Casa Mortuária, a pavimentação da Rua das Devesas e colocação de novas placas toponímicas foram temas abordados na Assembleia de Freguesia de Guidões.

A atribuição de um subsídio por parte da autarquia à Junta de Freguesia de Guidões para saldar as dívidas existentes relativas à obra da Casa Mortuária foi a boa nova anunciada pelo presidente Bernardino Maia na Assembleia guidoense, na quinta-feira, 30 de junho.

“Felizmente, a Junta está aliviada de dívidas”, afirmou o autarca que referiu ainda que esta obra “é das maiores prioridades” do executivo, mas que “ainda vai ter muitos gastos”. “Se fosse hoje, não faríamos o projeto que lá está”, garante Bernardino Maia, que se mostrou satisfeito com “a quantia de 70 mil euros deliberada pela autarquia, para completar a obra”.

Bernardino Maia informou ainda a Assembleia que tenciona apenas pavimentar a Rua das Devesas, deixando o alargamento, que implicaria maiores custos, para segundo plano.

A intenção do executivo mereceu o apoio de Atanagildo Lobo, da CDU, que considera que assim há “contenção de custos, serve-se as populações e não se contribui para a descaracterização da freguesia”.

Quanto ao pavimento na rua principal de Vilar, questão levantada por Fátima Campos, do PSD, o autarca explicou que a Junta “enviou alguns ofícios para a Trofáguas”, que interveio na via para colocar o saneamento,“ para fazer algumas reparações”. “Já estiveram lá, mas algumas não ficaram bem, pelo que o nosso funcionário já esteve a fazer o ajustamento do pavimento nalgumas zonas”, explicou. Para Bernardino Maia, a única solução para o fim das irregularidades na rua “será colocar um novo pavimento”.

Fátima Campos sugeriu ainda a colocação de um gradeamento na ponte sobre o riacho do Bicho, considerando que sem ele a zona constitui “um perigo para as crianças”. A solicitação teve a anuência de Bernardino Maia,que referiu que iria “contactar o serralheiro” para resolveresse problema.

Atanagildo Lobo salientou também a necessidade de se insistir junto da autarquia “o estudo de sinalética e lombas ”para a freguesia, assim comoa colocação das placas toponímicas nas paredes, como aprovado numa Assembleia. Bernardino Maia referiu que o assunto já foi comunicado à Câmara, no entanto, garantiu que “se não houver resposta, a Junta voltará a tomar uma posição”.

O membro da CDU alertou ainda para “uma quantidade elevada de pó” que paira sobre parte da freguesia, “oriunda da pedreira”, sugerindo a intervenção da Junta para que averigúe se “a nuvem branca” traz malefícios para a população. O presidente da Junta afiançou que “vai estar atento” e solicitar a extinção da poeira. “Se houver continuidade, teremos de acionar outros meios”, explicou.

{fcomment}