quant
Fique ligado

Edição 760

Cantinho da Saúde: Os alimentos aliados dos diabéticos

Veja aqui quais os alimentos que são aliados no controlo da doença.

Publicado

em

Não se iluda pelo facto de a diabetes não provocar dores. Doença silenciosa, a diabetes pode ser catastrófica a longo prazo, provocando várias lesões, ao nível ocular, renal e físico, podendo levar a amputações. Sendo uma das doenças mais prevalentes a nível mundial – Portugal é dos países da União Europeia com maior prevalência de diabetes – deve merecer atenção por parte dos doentes e familiares destes. Veja aqui quais os alimentos que são aliados no controlo da doença.

Apesar de existirem vários tipos de diabetes, os mais conhecidos são o de Tipo 1 (DT1) e de Tipo 2 (DT2). A DT1, doença autoimune, também é conhecida como diabetes insulino dependente, o que significa que o portador desta condição não consegue produzir insulina de forma suficiente, tendo de a injetar no corpo, diariamente, e a cada refeição ou aumento da glicemia (quantidade de açúcar no sangue).
Já a DT2 pode ser causada pela obesidade, sedentarismo e/ou genética, que leva à perda progressiva da eficácia da insulina ou à diminuição anormal e progressiva da produção de insulina por parte do pâncreas.
A diabetes pode ser controlada ou até mesmo prevenida (no caso da DT2) se mantivermos um estilo de vida saudável, ou seja, se praticarmos exercício físico e se tivermos uma alimentação equilibrada.
Para um diabético, seja qual o tipo da doença, a alimentação é um fator importante na sua vida. Há alguns dos alimentos benéficos para quem sofre desta doença, exemplo das leguminosas, como o grão, o feijão, as ervilhas, devido a estes conseguirem controlar a glicemia e prevenir assim doenças cardiovasculares. O azeite, que é uma fonte de gordura saudável, e os legumes, como batata-doce, a abóbora, a cenoura e os brócolos, são outros alimentos que ajudam os diabéticos, sendo a abóbora rica em vitaminas A, a cenoura em fibras solúveis e os brócolos em nutrientes com muitos benefícios para a saúde. Estes também ajudam no controlo dos níveis do sangue no corpo.

Os produtos lácteos são também alimentos ricos em proteína, vitaminas e minerais, mas é muito importante a consulta da informação nutricional, presente nos rótulos, e assim optar pelos que não têm adição de açúcar.
Os frutos secos, como amendoins, nozes, amêndoas e avelãs, são conhecidos pela abundância de gorduras insaturadas, ou seja, que funcionam como anti-inflamatórios que ajudam a controlar a glicemia, tal como os flocos de aveia, ajuda ainda na redução do colesterol.
Os frutos vermelhos – morango, mirtilos, amoras e cerejas – são ricos em vitaminas C e fibras e são excelentes antioxidantes que permitem as células renovarem-se, sendo também vantajosos por conterem poucos hidratos de carbono. O consumo de peixe, nomeadamente os peixes gordos, como o atum, o salmão e a sardinha, são bastante recomendados devido ao valor de ómega-3 que tem um efeito protetor contra doenças cardiovasculares e DT2, auxiliando na diminuição da pressão arterial.
Por último, um dos alimentos mais recomendados devido às vantagens nutricionais que representa é o abacate, que é composto predominantemente por ácidos gordos que ajudam a controlar os níveis de triglicerídeos e o colesterol e é rico em fibras que ajuda no trânsito intestinal.
Há outros alimentos que são bons aliados dos diabéticos, como os tremoços, que, dessalgados, constituem um saudável aperitivo para saciar. Grande vantagem: muito pobres em hidratos de carbono e, por isso, não alteram a glicemia.
É essencial manter a hidratação, bebendo muita água, e evitar o consumo de gorduras, uma vez que estas provocam a resistência à insulina, provocando o aumento dos níveis de açúcar no sangue.

Tiago Jesus

Continuar a ler...
Publicidade

Edição 760

Isabel Cruz elege “confiança” entre poder central e local como chave para descentralização

Isabel Cruz, presidente da Assembleia Municipal da Trofa, participou no 3.º Congresso da Associação Nacional de Assembleias Municipais (ANAM).

Publicado

em

Por

A “desconfiança estrutural do poder central no poder local” é areia na engrenagem da descentralização. Quem assim considera é Isabel Cruz, presidente da Assembleia Municipal da Trofa, que participou no 3.º Congresso da Associação Nacional de Assembleias Municipais (ANAM), a 19 de fevereiro, na Covilhã.
No encontro deste ano, os representantes das assembleias municipais de vários concelhos debateram sobre o papel que estes órgãos deliberativos podem ter no processo de descentralização e regionalização.
Acerca do assunto, Isabel Cruz defendeu que “a falta de informação, o desequilíbrio entre as competências a transferir e o respetivo pacote financeiro fizeram com que a desconfiança aumentasse” e a maior parte dos municípios rejeitasse as “competências que o poder central lhes pretende transmitir”.
A presidente da Assembleia Municipal da Trofa postulou ainda que os órgãos deliberativos “serão certamente uma voz ativa na reivindicação da informação basilar à decisão e terão um papel determinante no escrutínio das práticas de transferência de competências das Câmaras Municipais para as Juntas de Freguesias no garante da coesão territorial”.
Atentos à necessidade de dotar as Assembleias Municipais de melhores condições para realizarem o seu trabalho de fiscalização, Albino Almeida, presidente da ANAM, acredita que “o sucesso da descentralização passa pelo envolvimento dos municípios, não só na sua vertente executiva, mas também na sua vertente deliberativa”, concretizado através de “uma nova lei eleitoral autárquica e num renovado estatuto dos eleitos locais”.
“Neste processo de transição para um modelo que se caracteriza por ser mais participativo e descentralizador, a ANAM tem e terá como principais objetivos a afirmação do seu posicionamento estratégico e sustentável no quadro do reforço e aprofundamento da democracia e do poder local, da promoção de novas redes de contacto, comunicação e do debate entre presidentes de assembleias, mesas e eleitos locais”, frisou o responsável pela associação, que conta, atualmente, com 180 associados. C.V.

Continuar a ler...

Edição 760

Escrita com Norte: I have a dream

Chegámos atrasados, os pugilistas, Eça, o Queiroz e Adel, o Tunisino, já estão no centro do ringue…

Publicado

em

Por

Estava com pressa, e notava-se na velocidade, quase em cima do limite permitido, 39 Km/hora. Dou pisca, para ultrapassar um condutor atento, e ouço, “Bi-bi-Bi-bi”. Parei, e do outro carro vociferam-me:

– MIL PERDÕES PELA POLUIÇÃO SONORA, MAS BUZINEI PARA ALERTAR PARA O CHOQUE QUASE IMINENTE, ESTIMADA PESSOA! – diz-me o condutor, que circulava na outra faixa.

– Fez bem em alertar para a minha desatenção, sua Excelente Pessoa… é um Anjo! – respondi.
Como resposta recebi um gesto, com as mãos juntas o condutor dirigiu-me um “coração” e desejou-me – “Um excelente dia!”
Segui viagem e aparquei em frente ao quiosque da “Tina”, entro e espero na fila para ser atendido.
Momentos depois, entra outra pessoa, parecia-me ter 49 anos, mais velha do que eu…dei-lhe prioridade.

– Tenho 45. – diz-me.
Hãããã, eu tenho 48. Mantemos o alinhamento da fila por ordem decrescente de idades? – perguntei.

– Não lhe dava essa idade, está com excelente aspecto e nota-se que em boa forma, também!
Perante tamanha lucidez, desisti da “ordem decrescente de idades “ e insisti que passasse à minha frente.
Depois desta desordem natural, acabou por chegar a minha vez de ser atendido, como sempre, de forma educada, bem disposta e cavalheiresca pelo meu amigo de infância, o Pedro. Entregou-me os bilhetes, que estavam reservados, e, demasiado em cima do evento, dirijo-me apressado para o carro. Nas proximidades ouço uma discussão, em que meia dúzia de pessoas trocavam elogios de forma acessa…todos com garrafas e garrafões de àgua, já devidamente consumida.
Bem, com os bilhetes na mão, ainda tinha que ir buscar o meu sobrinho, o Gonçalo, para assistirmos a um espectáculo de “Homens”, um combate de boxe.
Chegámos atrasados, os pugilistas, Eça, o Queiroz e Adel, o Tunisino, já estão no centro do ringue…Afonso de Albuquerque é o árbitro do combate e anuncia:

– Senhores atletas, pede-se que o combate seja limpo, não digam bem de quem não gostam e não usem cábulas de “bem dizer”.
Cada um vai para o seu canto do ringue e Afonso de Albuquerque vai a uma lateral fazer soar o sino para o início do combate.
“Bonnngueee”…começa o combate, os dois atletas dirigem-se para o centro da arena, “dançam” em frente um do outro, com uma troca de pés constante, Eça tropeça e Adel aproveita para aplicar o primeiro golpe:

– Qué flô?!
Eça aguenta atordoado e ainda zonso, sofre ataques repetidos de Adel.

Publicidade

– Qué flô, qué flô, qué flô, qué flô, qué flô, qué flô…
Eram os primeiros momentos do combate e já ninguém acredita na recuperação de Eça.
Adel revelava-se muito bom neste golpe rápido e curto e assim chegámos ao final do primeiro assalto. “Bonnngueee”…e ainda no mesmo, “Bonnngueee”, Afonso de Albuquerque dá início ao segundo assalto, sem os atletas terem tempo para recuperar!
Os dois estão novamente no centro do ringue, e sentindo que tinha ficado em desvantagem, Eça, o Queiroz, entra forte no segundo round:

– Ó excelente pessoa, a tua mãe é uma santa!
Adel, o Tunisino aguenta o ataque e, poderoso, responde:

– Qué flô, qué flô?
Os dois “bailam” em cima do ringue, como se estivessem num salão de dança, e Adel tenta novo ataque – “Qué flô?” – Eça esquiva e contra ataca:

– Ó bondoso, tu dás a camisa a um pobre! A tua irmã é que é boa para casar!

– Parou, falta técnica contra o atleta Eça! – anuncia o árbitro e explica – o Adel não tem nenhuma irmã. Podem recomeçar.
Adel e Eça juntam-se ao centro e desferem um ataque em simultâneo:

– Qué flô?

– Devia-te sair o euromilhões!
“Bonnngueee”. Termina o segundo assalto.
Eça dirige-se para o seu canto, seguro de que tinha ganho este assalto e que tudo se iria resolver no terceiro e derradeiro round, e Adel vai para o seu canto a pensar que deveria começar a vender rosas na sua banca.
“Bonnngueee”. Começa o último assalto. Eça, sem tempo a perder:

Publicidade

– Tens um coração de ouro!
Adel aguenta o golpe e Eça continua:

– Tens a inocência de uma criança, és tão fofinho!
Adel continuava a defender-se como podia, sem conseguir reagir , e Eça continuava o massacre:

– Trocava a minha mãe pela tua! Trocava o meu farrusco pelo teu gato! Merecias um prémio pela paz! ÉÉSSSS LINNNDOOOOO!
O massacre era tal, que tapei os ouvidos ao Gonçalo e a vitória de Eça parecia certa, até que Adel, vazio de energia, inexplicavelmente foi descobrir força, ninguém sabe aonde, e:

– QUÊÊÊÊÊÊÊ FLÔÔÔÔÔÔÔÔ?!
Eça perante a falta de reacção de Adel durante o terceiro assalto, descurou a defesa e levou com este golpe em cheio no seu coração, ficando em KO amoroso. Afonso de Albuquerque inicia a contagem:

– 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, Adel, o Tunisino é o campeão!

Deixei o Gonçalo em casa e disse o quanto gostava dele… deitei-me a desejar que esta não fosse a única parte do dia que não foi sonho!

Publicidade
Continuar a ler...

Edição Papel

Comer sem sair de casa?

Facebook

Farmácia de serviço

 

arquivo

Neste dia foi notícia...

Ver mais...

Covid-19

Pode ler também