quant
Fique ligado

Edição 772

Cantinho da Saúde: Conserve bem os alimentos e evite doenças provocadas por bolores ou fungos

Todos os anos, são reportados na União Europeia, várias centenas de casos de contaminação por micotoxinas, substâncias tóxicas produzidas por certos bolores ou fungos.

Publicado

em

Todos os anos, são reportados na União Europeia, várias centenas de casos de contaminação por micotoxinas, substâncias tóxicas produzidas por certos bolores ou fungos. À frente só as notificações relativas a microrganismos patogénicos (como Salmonella e Listeria). É, por isso, importante mantermos os alimentos em boas condições e respeitar o seu estado e tempo de consumo.
As micotoxinas podem surgir em cereais, especiarias, legumes, frutos secos ou leite e algumas são perigosas para o organismo e podem causar doenças. O bolor é um indício da sua presença, mas também é possível que o alimento contaminado não apresente sinais.
Segundo a DECO, a contaminação dos alimentos por bolores pode acontecer em qualquer fase do processo de produção. O solo, os insetos, o vento, a chuva, as máquinas de colheita e os animais roedores são possíveis fontes de contaminação.
Os alimentos contaminados podem chegar à cadeia alimentar de forma direta (por exemplo, através de frutos frescos ou secos, de legumes ou de carne, amendoins, leite, cereais e especiarias) ou indireta, pelos derivados de frutos (por exemplo, sumos), legumes e carne e ainda de farinhas, pão, cerveja, vinho, queijo, enchidos, entre outros.
Em casa, devemos ter alguns cuidados e não esquecer que a luz, o calor e a humidade são inimigas da boa conservação. A comida deve ser guardada em local fresco e seco ou de acordo com as indicações nos rótulos. Os alimentos suscetíveis de se estragarem no frigorífico, devem ser conservados numa boa arrumação, cobrindo-os para evitar contaminações.
A presença de bolores nos alimentos é um sinal de alerta, por isso, não coma nada que o apresente. Deitar a parte do pão que tem bolor no lixo e consumir a outra parte que não tem não é uma conduta segura, uma vez que o alimento pode já estar totalmente contaminado.
Por outro lado, se, em casa, detetar aromas desagradáveis, como por exemplo cheiro a mofo nas especiarias, rejeite os alimentos.

Continuar a ler...

Edição 772

Festa de Nossa Senhora das Dores: ONTEM, HOJE E SEMPRE

“Não foi a Trofa que impôs a Nossa Senhora das Dores, mas a Nossa Senhora das Dores que impôs à Trofa”

Publicado

em

Por

Terminaram as festas de Nossa Senhora das Dores de 2022. Parabéns à Comissão de Festas. Virou mais uma página da longa história iniciada há cerca de 256 anos! Viva as próximas festas de Nossa Senhora das Dores, em 2023, e a próxima aldeia a realizar as mesmas. As próximas festas…

 

Já é assinante? Inicie sessão

Não é Assinante? Clique aqui e assine os nossos conteúdos a partir de 1 euro

 

Continuar a ler...

Edição 772

Folha Liberal: Lucros excessivos

Então, quando olharmos para os lucros de uma empresa, temos também de olhar para a sua dimensão, para o seu volume de negócios, para o número de trabalhadores, para os investimentos que foram necessários para se obter esses lucros, porque, a não ser assim, corremos o risco de ficar com uma visão claramente distorcida.

Publicado

em

Por

Há alguns meses, as empresas, que a isso são obrigadas, nomeadamente pela sua dimensão, apresentaram os seus resultados semestrais, provocando um grande alarido, já que os lucros foram muito elevados.
Houve uma grande indignação, porque enquanto as famílias e as pessoas estão a sofrer, e muito, com o aumento do custo de vida causado pela elevada inflação, pela desvalorização do Euro face ao dólar e pelo aumento das taxas de juro, essas empresas tiveram lucros que muitos consideram excessivos.
O que devia causar alarido e indignação são os prejuízos que algumas empresas públicas têm ano após ano, e que no final, os contribuintes são sempre chamados a pagar.
De qualquer dos modos, é um erro e não se devem analisar as contas, sejam elas quais forem olhando apenas para um dos dados. É preciso olhar de uma forma global, para se fazer uma avaliação correta.
Vou dar um exemplo: No concelho da Trofa existem um pouco mais de quatro mil e trezentas empresas, que empregam um pouco mais de vinte mil e trezentas pessoas. Mas, só nas quatro maiores empresas do concelho trabalham 13,5% das pessoas. Se estas quatro empresas tivessem um lucro equivalente a 13,5% dos lucros de todas as empresas, isso seria considerado excessivo?
Estas mesmas quatro empresas, representam quase 39% do volume de negócios de todas as empresas do concelho. Se estas quatro empresas tivessem 39% dos lucros de todas as empresas isso seria considerado excessivo? Em que medida? Se têm 39% do volume de negócios, o mais normal não seria ter essa percentagem dos lucros?
Então, quando olharmos para os lucros de uma empresa, temos também de olhar para a sua dimensão, para o seu volume de negócios, para o número de trabalhadores, para os investimentos que foram necessários para se obter esses lucros, porque, a não ser assim, corremos o risco de ficar com uma visão claramente distorcida.
Além disso as empresas que dão lucros são as que pagam impostos. Por outro lado, a rentabilidade dos fundos onde as pessoas aplicam as suas poupanças, bem como a rentabilidade dos investimentos da segurança Social, que garantem as reformas, são assegurados pelos lucros destas empresas.
As grandes empresas, privadas, costumam ter grandes lucros, e isso é uma coisa boa! Que o digam os seus trabalhadores, os seus fornecedores etc.
No nosso concelho temos algumas grandes empresas, mas é preciso criar condições para que mais empresários invistam cá, nomeadamente, criar zonas industriais, ou empresariais bem estruturadas, melhorar as vias rodoviárias, para que não se percam horas intermináveis em filas de trânsito e exigir a expansão da linha do metro até à Trofa.

Continuar a ler...

Edição Papel

Comer sem sair de casa?

Facebook

Farmácia de serviço

 

arquivo

Neste dia foi notícia...

Ver mais...

Covid-19

Pode ler também

} a || (a = document.getElementsByTagName("head")[0] || document.getElementsByTagName("body")[0]); a.parentNode.insertBefore(c, a); })(document, window);