paradela 

Duas centenas de pessoas, incluindo a presidente da Câmara, viram Paradela e Marco 09 partilharem pontos e a assumirem-se como as melhores equipas da série 2, da 2ª Divisão da Associação de Futebol do Porto.

Num jogo entre candidatos, só podia dar empate. O Paradela foi a única equipa que até agora conseguiu roubar pontos ao histórico Marco, que renasceu das cinzas para voltar aos grandes, numa espécie de imitação ao Salgueiros. Qualidade a equipa tem, falta agora saber se conseguirá vencer o “braço de ferro” com o Paradela, adversário que parece ser o único à altura no campeonato.

Num jogo em que nem a chuva “afugentou” as cerca de duas centenas de pessoas que invadiram o Complexo Desportivo do CD Trofense, o Paradela começou mal e a dar o domínio de jogo ao Marco, que não se fez rogado e logo aos quatro minutos criou perigo, na sequência de um livre cobrado por Hugo, que ninguém aproveitou para desviar, acabando por quase trair o guardião Bruno que viu a bola a rasar o poste.

A presidente da Câmara da Trofa, Joana Lima, também não faltou ao espectáculo, mas aos 17 minutos viu o Paradela sofrer golo, numa excelente jogada de ataque do Marco. Diogo permitiu a antecipação de Marcos Bruno que, depois de tirar três adversários da frente, rematou fraco, mas fora do alcance de Bruno, dando a vantagem para a equipa da casa, numa altura em que o Paradela estava a assentar a sua estratégia.

Com uma estrutura ofensiva de meter inveja, o Marco usou a velocidade dos extremos Pedro Sousa e Vasco para pressionar de novo e o primeiro, aos 29 minutos, cruzou rasteiro e só por centímetros Marcos Bruno não finalizou na pequena área, com o guardião Bruno a segurar com segurança.

Para dar frescura ao ataque, o técnico do Paradela prescindiu de Queirós, fazendo entrar Ferraz, que veio dar mais velocidade ao último sector da equipa. Com mais motivos de interesse, a segunda parte trouxe um Paradela melhor que, logo aos 55 minutos podia ter empatado o jogo. Na sequência de um livre descaído pela esquerda, Gualter remata de ressaca e com força, obrigando o central Hugo a corte providencial para canto. No seguimento Ivan cruzou e no meio da confusão, Ricardinho fez o mais difícil e, sem o guarda-rede enquadrado com a baliza, rematou ao lado. Foram dez minutos de intensa pressão exercida pelo Paradela que voltou a arrefecer no jogo e a visitar menos vezes o último reduto do adversário.

Até aos 90 minutos as notas de destaque vão para as lesões de Pedro Sousa e Fábio, este que teve que ser transportado ao hospital por suspeitas de fractura no pé.

Sem nunca perder a esperança, o Paradela conseguiria empatar a partida, já em tempos de desconto, na sequência de um pontapé de canto apontado por Gualter, que Filipe desviou no segundo poste e Ivan confirmou o tento à “boca” da baliza, dando um ponto a ambas as equipas. O golo foi muito contestado pelo banco do Marco que reclamou que Filipe fez falta ao ganhar posição, empurrando um defesa adversário.

Depois do jogo, João Cruz, técnico do Paradela, afirmou que saiu com a sensação de que a equipa “perdeu dois pontos”, apesar de considerar que o empate “aceita-se”.

“Estávamos a respeitar demais o Marco no início do jogo e foi exactamente isso que eu disse aos jogadores no intervalo, porque tínhamos que estar mais agressivos e na segunda parte viu-se por que é que o Paradela está lá em cima na tabela”, referiu.

O técnico afirmou que o jogo “foi muito fraco, principalmente na primeira parte”, mas depois do descanso “viu-se mais Paradela e Marco”. “Tivemos dez minutos de pressão com inúmeras oportunidades, o Marco depois podia ter matado o jogo, porque quase abdicámos da zona defensiva para atacar. E de tanto atacar conseguimos fazer o empate”, frisou.

Já João Monteiro, treinador do Marco, considerou que a sua equipa “foi muito superior ao Paradela ao longo dos 90 minutos” e “teve muitas ocasiões para resolver o jogo na primeira parte”. O técnico não ficou indiferente ao golo do empate, “esquisito” na sua opinião, lamentando que esse lhe tenha tirado três pontos importantes na luta pela subida. João Monteiro tem a certeza de que o Marco vai conseguir a ascensão à 1ª Divisão, apesar de considerar que o Paradela “tem uma excelente equipa”.

O Paradela segue em primeiro com 28 pontos, os mesmos que o Marco, mas tem mais um jogo realizado que o outro candidato. Na próxima jornada, a equipa da Trofa viaja ao reduto do Sobreirense, 12º classificado.