Centenas de alunos participam nas colónias balneares organizadas pela FAPTrofa. Autarquia apoia iniciativa, que se prolongou até sexta-feira. 

A bandeira amarela denunciava que o mar não convidava a banhos, mas havia alternativa para a diversão. A música soava alta e as crianças da Trofa atraíam curiosos com as suas coreografias mais ou menos alinhadas. O importante era mesmo descomprimir. 

 

Desde 18 de junho e até 6 de julho, os alunos do 1º ciclo das escolas do concelho invadem a praia das Caxinas, em Vila do Conde, todas as manhãs agora que as aulas terminaram. Andreia Torres era uma das orgulhosas veraneantes que confirmava o sucesso da estadia na praia. “Está a correr bem”, afirmava, para logo a seguir justificar: “Já fomos à água”. 

Para além dos banhos, Andreia divertiu-se nas atividades preparadas pelos professores, como “o futebol e o andebol”, sem esconder que, “às vezes”, a criançada fez asneiras. Já Miguel Ângelo, mais desinibido, utilizava um adjetivo para classificar o dia de praia: “Fantástico”. A água, incrivelmente (ou não), estava “quentinha” e fez as maravilhas deste miúdo que garante que também fez “a coisa mais preferida” na praia: “Jogar futebol”. Para além disso, não tirou os olhos das meninas: “Tem ali uma do outro lado que é boa”.

Enquanto o Miguel Ângelo não perdia de vista o seu amor de verão, as crianças aproveitavam o último dia de colónias balneares, com brincadeira e um gelado para refrescar. Para a semana, são outras a terem o mesmo prémio. José Oliveira, presidente da Federação de Associações de Pais da Trofa (FAPTrofa), organizadora da atividade, afirmou que “é uma atividade merecida” para as crianças “depois de um ano de escola”. “Temos o apoio dos professores das atividades de enriquecimento curricular (AEC) e da Câmara Municipal, pois não temos receitas próprias. Também é partilhado com os pais, porque os alunos não escalonados pagam uma parte para financiar esta iniciativa”.

Teresa Fernandes, vereadora do pelouro da Educação, considera que as colónias balneares dão a única oportunidade a que “muitas crianças possam vir a praia”. “E depois de um ano preenchido, é mais que merecido trazermos as nossas crianças à praia”.

No próximo ano letivo, com a mudança de competências da Federação da Associação de Pais, será a autarquia a responsabilizar-se pela organização das colónias balneares, assegurou a vereadora. Segundo a autarquia, no total participam nesta edição das colónias balneares “cerca de 800 alunos”. Na primeira semana participaram as crianças das EB1 do Agrupamento de Castro e a EB1 de Finzes, seguindo-se os alunos das escolas do Agrupamento da Trofa. A última semana foi dedicada aos meninos do Agrupamento do Coronado.

{fcomment}