Na segunda jornada da Divisão de Honra da Associação de Futebol do Porto, o Bougadense não conseguiu evitar a derrota, frente ao Candal, por uma bola a zero. A equipa de Santiago de Bougado não apresentou a mesma consistência defensiva que demonstrou ter na primeira jornada.

  "Amor com amor se paga". Este foi o argumento utilizado por Fernando Matos para explicar as sucessivas paragens dos atletas do Candal depois destes terem inaugurado o marcador. O técnico gaiense afirmou que, se o Bougadense havia perdido muito tempo nos primeiros quarenta e cinco minutos, evidenciando "vontade de garantir o empate", o Candal também o iria fazer, logo que conseguisse visar a baliza adversária. Esta atitude acabou por "deitar por terra" o desejo dos espectadores de assistirem a bom futebol, pelo menos na etapa complementar.

O Bougadense não se apresentou ao melhor nível para esta partida com um candidato à subida e, para além de não  conseguir travar o nervosismo no sector defensivo, também não aproveitou as oportunidades que dispôs para marcar. Denota-se ainda falta de eficácia dos atletas mais avançados no terreno, que no momento crucial acabam sempre por falhar o alvo.

Na tentativa de reter os adversários no último terço de terreno a equipa que viajou a Vila Nova de Gaia protagonizou o primeiro lance de perigo, aos 12 minutos, por intermédio de Paulinho, que frente a frente ao guardião João Gomes tentou o "chapéu" que saiu por cima da baliza.

A falta de comunicação na defesa do Bougadense começou a repercutir-se e aos 19 minutos os centrais do Bougadense quase ofereciam o golo ao Candal. Daí até ao intervalo o conjunto caseiro dominou a contenda, contudo o Bougadense conseguiu travar todas as investidas ofensivas do adversário.

No reatamento, o Bougadense voltou a evidenciar-se e podia ter inaugurado o marcador por Alexis, que falhou por pouco o cabeceamento certeiro, na sequência de um pontapé de canto. Logo a seguir, aos 62 minutos, Serginho não aproveitou o "brinde" do guarda-redes do Candal e, com a baliza à sua mercê, rematou por cima do travessão.

A partir daí, o ascendente da equipa da casa foi evidente e começou num remate de Serginho, que havia entrado para o lugar de Miguel, que obrigou Vila Cova à defesa da tarde.

A insistência dos candelenses perdurou até à obtenção do golo, que teve a assinatura de Lourenço, na marcação de um pontapé livre à entrada da área. Até ao final do jogo assistiu-se a fraco futebol, fruto das sucessivas paragens dos jogadores do Candal, que nunca permitiram ao adversário chegar com perigo à baliza de João Gomes.

De lamentar os comentários racistas dirigidos ao jogador bougadense Yano, que surgiram da bancada onde se encontravam alguns adeptos do Candal. Actos reprováveis que, infelizmente, continuam a perseguir o desporto rei.

 

"Bougadense não esteve ao nível do jogo da primeira jornada"

Mais do que insatisfeito com o resultado, que considerou "injusto", Renato Pontes não ficou agradado com a exibição da equipa. Para o técnico "quem marcasse primeiro ganhava o jogo" e o Bougadense teve "muitas oportunidades para o vencer", contudo a falta de eficácia prevalece. Para além disso o conjunto bougadense "não esteve ao nível do jogo da primeira jornada", com o Arcozelo. Com o Candal Pontes transmitiu à equipa que "um jogo totalmente em aberto", mas "não houve coesão defensiva".

O empate acabava por ser o resultado "mais ajustado", já que o Candal "não foi superior ao Bougadense" e acabou por "ter sorte" num lance de bola parada.

Fernando Matos, técnico do Candal, afirmou que o Candal sofreu para conseguir o triunfo, pois o Bougadense "criou bastantes dificuldades no sentido de arrecadar um bom resultado, neste caso o empate".

Relativamente às perdas de tempo da sua equipa, Fernando Matos foi peremptório: "amor com amor de paga. O Bougadense desde o início do jogo procurou perder tempo e é lógico que a partir o golo tinha que mudar de atitude. Ainda bem que o golo apareceu tarde, para prejudicar mais a equipa", concluiu.

 

(EM CAIXA)

Divisão de Honra da AFP – 2ª Jornada

Jogo: Complexo Desportivo Rei Ramiro

C.D. Candal: João Gomes, Tiago Valente, Elísio, Vitó, Oliveira, Pedro Abel (Barreiros 86'), Lourenço, Zé Tiago (César 83'), Miguel (Serginho ao int.), Gomes e Tozé

Treinador: Fernando Matos

A.C. Bougadense – Vila Cova, Mó, Virgílio, Lírio, Roberto, Alexis, Ricardo Sá, Pinto (João Paulo 85'), Yano (Marino 81'), Serginho (Queirós) e Paulinho

Treinador: Renato Pontes

Árbitro: José Moreira, auxiliado por Osvaldo Feirreira, Mário Pereira e Pedro Macedo

Cartões Amarelos: Serginho (40'), Alexis (73'), Queirós (78'), Zé Tiago (83') e Tozé (84')

Marcador: Lourenço (79')

Resultado ao intervalo: 0-0

Resultado final: 1-0

 

Resultados 2ª jornada

 

Valonguense 0 – 0 Pedrouços

Ataense 2 – 1 Várzea Douro

Vilanovense (adiado) Ermesinde

Arcozelo 2 – 1 Sousense

Candal 1 – 0 Bougadense

Senhora Hora 1 – 0 Rio Tinto

Alpendorada 2 – 0 Avintes

Coimbrões 2 – 0 Canidelo

Perosinho 1 – 4 Perafita

 

Próxima Jornada (23-09-2007)

Valonguense – Ataense

Várzea Douro – Vilanovense

Ermesinde – Arcozelo

Sousense – Candal

Bougadense – Senhora Hora

Rio Tinto – Alpendorada

Avintes – Coimbrões

Canidelo – Perosinho

Pedrouços – Perafita

 

Classificação

01. Coimbrões – 6 pontos

02. Alpendorada – 6 pontos

03. Arcozelo – 4 pontos

04. Senhora Hora – 4 pontos

05. Perafita – 3 pontos

06. Ataense – 3 pontos

07. Rio Tinto – 3 pontos

08. Várzea Douro – 3 pontos

09. Candal – 3 pontos

10. Perosinho – 3 pontos

11. Bougadense – 1 ponto

12. Pedrouços – 1 ponto

13. Valonguense – 1 ponto

14. Avintes – 1 ponto

15. Ermesinde – 0 pontos

16. Vilanovense – 0 pontos

17. Sousense – 0 pontos

18. Canidelo – 0 pontos