A ave de rapina não canta. Este é, certamente, um dos provérbios que melhor explicarão a exibição do Benfica frente a um Trofense, que esteve escondido até à 13ª jornada. O emblema da Trofa fez de David e tombou o Golias, somando três valiosos pontos que atiram o adversário para segundo lugar. Reguila, na primeira parte, e Hélder Barbosa, a dez minutos do fim, marcaram os golos da vitória trofense.

Mas a águia começou atrevida. Suazo deu o primeiro aviso logo no primeiro minuto, com um cabeceamento que Paulo Lopes defendeu com dificuldade.
Tímido, o Trofense respondeu com um remate desajeitado de Delfim.

O Benfica dava-se ao luxo de falhar, com Aimar a protagonizar nova oportunidade, com um cabeceamento que Paulo Lopes agarrou.

A equipa liderada por Quique Flores perdeu ritmo ofensivo e o Trofense aproveitou. Aos 30 minutos, na sequência de um livre, Hugo Leal cruzou e Suazo na tentativa de cortar quase traía Moreira.

Perto do intervalo, Reguila levantou o estádio quando numa jogada de contra-ataque, rematou à entrada de área e fez um golo, num lance em que Moreira também não fica isento de culpas.

Ver o Trofense dominar o até então líder era um cenário pouco provável, mas a verdade é que o “lanterna vermelha” pôs em sentido o até então líder do campeonato e o encostou à sua grande área.

O Trofense carimbou a sua excelente exibição com o segundo golo de Hélder Barbosa, totalmente merecido para a equipa e para o jogador. O jogador emprestado pelo Futebol Clube do Porto deu magia à partida e foi, claramente, um dos obreiros do feito trofense, que atribui a primeira derrota à única equipa europeia que ainda não tinha perdido.

Com este resultado o FC Porto recupera a liderança e o Trofense salta para o 13º lugar.