quant
Fique ligado

Noticias

Banco de Portugal regista quebra acentuada da economia no fim de fevereiro

Publicado

em

O diário de atividade económica (DEI) é o novo indicador do Banco de Portugal e apresentou uma queda homóloga mais acentuada do que a observada na semana anterior.

“Na última semana de fevereiro, o indicador diário de atividade económica apresentou uma queda homóloga mais acentuada do que a observada na semana anterior.” Foi assim que o Banco de Portugal (BdP) apresentou os dados do DEI (da designação inglesa Daily Economic Indicator) semanal no dia 4 de março no seu comunicado oficial. Esta informação resulta do forte impacto que o novo confinamento decretado a meio de janeiro teve na economia portuguesa.

Lançado em 28 de janeiro, este novo indicador tem o objetivo de reconhecer “mais facilmente” alterações abruptas na atividade económica. Os dados atualizados serão divulgados todas as semanas à quinta-feira pelo Banco de Portugal, com informação até ao domingo precedente.

Apesar de se ter sentido um alívio durante as primeiras semanas de fevereiro, os valores continuaram em terreno negativo. Estes dados mostram que a economia nos primeiros dois meses de 2021 é mais comparável com a do quarto trimestre do ano passado do que com a do período do primeiro confinamento. Ou seja, do que com a do segundo trimestre de 2020.

Conforme apresenta o BdP, a utilização deste tipo de dados de alta frequência “intensificou-se na sequência da crise desencadeada pela pandemia de Covid-19”, já que, dado o “curto desfasamento” da sua divulgação face ao período de referência, permitem “identificar atempadamente alterações bruscas na atividade económica”. Isto significa que os dados são tratados assim que verificados.

A média móvel semanal deste indicador, na semana centrada em 25 de fevereiro, aponta para uma contração homóloga de 6,3% da atividade económica, quando na semana anterior era de 3,6%.

Segundo o comunicado, o DEI “cobre diversas dimensões correlacionadas com a atividade económica em Portugal, sumariando a informação das seguintes variáveis diárias: tráfego rodoviário de veículos comerciais pesados nas autoestradas, consumo de eletricidade e de gás natural, carga e correio desembarcados nos aeroportos nacionais e compras efetuadas com cartões em Portugal por residentes e não residentes”.

Publicidade

A crise económica no país provocada pela pandemia também se fez sentir através dos milhares de pedidos de moratórias de crédito habitação e pela urgência em se evitar incumprimentos no pagamento de prestações de empréstimos. A 5 de março, António Costa alertou numa entrevista ao jornal Público que esta crise está longe de ficar resolvida tão cedo. “No dia em que deixarmos de ter qualquer infetado com Covid-19, continuaremos a ter 400 mil desempregados. Continuaremos a ter muitas empresas que, entretanto, faliram, ou que têm muitas dificuldades em cumprir as moratórias”, disse o primeiro-ministro.

Uma maneira de aumentar o orçamento mensal poderá passar por falar com os bancos onde foi feito o empréstimo à habitação para encontrar novas soluções. Por exemplo, existe a possibilidade de juntar créditos e diminuir as mensalidades dos empréstimos que o cliente já tem.

Mesmo assim, os responsáveis por entidades financeiras também avisam que poderá surgir uma crise no sector da banca já que os grandes volumes de moratórias concedidas deixam antecipar fortes impactos para a banca nacional no pós-Covid. “Temos de encontrar outras soluções e cada um dos bancos terá de assumir as responsabilidades dentro das suas carteiras de crédito”, disse Licínio Pina, presidente do Conselho de Administração Executivo do Crédito Agrícola. Em causa está o volume desproporcional de moratórias aprovadas em comparação com a média europeia.

A Comissão Europeia estima que exista uma contração do PIB português de 2,1% no primeiro trimestre deste ano. Caso esse valor se verifique, essa será a maior queda entre os 27 Estados-membros.

A informação disponibilizada na DEI refere-se aos valores diários e à média móvel semanal deste indicador. A data prevista para a próxima divulgação deste indicador é a 11 de março. Antes do confinamento geral, o DEI estava com valores homólogos positivos.

Continuar a ler...

Lifestyle

3 Pontos a ter em atenção ao pedir crédito pessoal

Pedir um crédito pessoal é um processo simples e rápido, no entanto, deve ter em atenção diversos fatores antes de solicitar um.

Publicado

em

Por

Pedir um crédito pessoal é um ato cada vez menos burocrático e rápido de ser formalizado. Algo essencial para quem procura obter financiamento de uma forma célere. Contudo, existem diversas instituições financeiras que disponibilizam este género de empréstimo, o que pode tornar o processo de escolha algo mais complexo.

Deste modo, neste artigo, vamos explicar-lhe 3 pontos essenciais para conseguir o melhor crédito pessoal.

  1. Finalidade do Crédito

Apesar de não existir obrigatoriedade de dizer à instituição qual o propósito do financiamento, ao solicitar um crédito terá sempre a possibilidade de selecionar uma finalidade. A diversidade é vasta, sendo os mais comuns o crédito pessoal para obras, educação, férias, automóvel e consolidado. Porém, existem entidades onde poderá também escolher um crédito pessoal para saúde, energias renováveis, eletrodomésticos, entre outros.

Assim, se o consumidor apresentar um propósito único para aplicar o financiamento, deve evitar solicitar um crédito pessoal sem finalidade. Isto porque, ao selecionar uma finalidade poderá encontrar taxas de juro mais baixas, seguros adaptados a essa mesma finalidade e melhores condições de acesso ao financiamento, como, por exemplo, um prazo de pagamento mais alargado.

  1. Comissões Bancárias

Quando solicita um crédito pessoal a uma dada instituição, terá de pagar o Imposto de Selo, mas também algumas comissões iniciais que poderão variar conforme o prazo e o montante de financiamento.

Outra comissão que deve ter em consideração é a amortização antecipada. Sempre que quiser antecipar/liquidar o seu empréstimo de forma parcial ou total, terá de pagar até 2% do valor que pretende abater.

Contudo, algumas instituições, por forma a atraírem novos clientes, acabam por não cobrar esta comissão inicial. Por isso, na análise ao melhor crédito pessoal para as suas necessidades, o consumidor deve estar atento a este fator e a possíveis campanhas em vigor por parte das entidades.

  1. Prazo de Pagamento

Nos últimos anos assistimos a um aumento do prazo médio por contrato, tanto em crédito habitacional como no crédito pessoal. Só de 2021 para 2022 a média dos contratos passou de 4,7 para 4,9 anos.

Quando o consumidor pretende adquirir um crédito, tende a contratualizar um prazo de pagamento alargado para ter uma prestação mensal mais baixa durante a vigência do contrato. É algo normal tendo em conta o aumento do custo de vida e da dificuldade das famílias conseguirem sustentar os seus encargos mensais.

Contudo, quanto maior for o prazo de pagamento, mais juros terá de pagar. Por isso, é aconselhável avaliar e encontrar o ponto de equilíbrio entre aquilo que pode pagar mensalmente e o custo total do empréstimo – pode encontrar este valor no MTIC (Montante Total Imputado ao Consumidor) disponibilizado pela instituição na Ficha de Informação Normalizada do crédito.

Publicidade

Pedir um crédito com uma mensalidade muito elevada pode também não ser a solução – aumenta a probabilidade de face a algum imprevisto entrar em incumprimento com a instituição financeira. Estando nesta situação, além de entrar na lista negra do Banco de Portugal, para regularizar a sua situação, terá de pagar taxas de juro de mora pelo valor em atraso.

Fazer Contas Antes de Contratualizar Um Crédito

Embora seja tentador conseguir obter financiamento de uma forma célere, um contrato de crédito é uma responsabilidade financeira que não pode levar de ânimo leve. Por isso, o consumidor deve fazer diversas análises sobretudo à TAEG (Taxa Anual Efetiva Global) – este será o melhor indicador comparativo entre as diversas propostas.

Tenha em atenção que, algumas instituições financeiras podem-lhe propor a contratualização de outros produtos financeiros, como seguros, para baixar as taxas de juros. Se isso acontecer, analise a proposta com e sem estas variáveis para saber se compensa.

As instituições financeiras antes de fornecerem o crédito fazem também uma análise à solvabilidade dos seus clientes por forma a compreender se estes têm capacidade de pagar o financiamento de forma sustentável.

Todavia, o consumidor tem de ter essa mesma iniciativa e avaliar a sua própria taxa de esforço – relação entre os encargos financeiros e os rendimentos líquidos mensais de um dado agregado familiar.

Se fizer uma simulação da sua taxa de esforço e esta for superior a 40%, então saiba que, além de ser arriscado pedir um crédito, a maioria das entidades financeiras vão reprovar o pedido de crédito.

Publicidade
Continuar a ler...

Trofa

Aluno do CENFIM é vice-campeão mundial de Controlo Industrial

Edgar Monteiro, aluno do CENFIM da Trofa, sagrou-se, este fim de semana, vice-campeão mundial de Controlo Industrial na edição especial do World Skills Competição.

Publicado

em

Por

Edgar Monteiro, aluno do CENFIM da Trofa, sagrou-se, este fim de semana, vice-campeão mundial de Controlo Industrial na edição especial do World Skills Competição.

O jovem de Rebordões, concelho de Santo Tirso, integrou a equipa de Eletromecânica Industrial e conquistou a medalha de prata, na prova realizada em Salzburgo.

O World Skills são competições dirigidas a jovens entre os 17 e os 25 anos, que concluíram ou se encontram a frequentar um percurso de qualificação, em modalidades de educação e formação profissional, e visam demonstrar o nível individual de competências, rigor e domínio de técnicas e de ferramentas para o exercício de cada profissão a concurso, através da realização de provas práticas de desempenho avaliadas segundo critérios exigentes e de acordo com prescrições técnicas estabelecidas internacionalmente por júris compostos de peritos altamente qualificados (formadores, profissionais, empresários).

Continuar a ler...

Edição Papel

Comer sem sair de casa?

Facebook

Farmácia de serviço

 

arquivo

Neste dia foi notícia...

Ver mais...

Covid-19

Pode ler também

} a || (a = document.getElementsByTagName("head")[0] || document.getElementsByTagName("body")[0]); a.parentNode.insertBefore(c, a); })(document, window);