“Com a coragem e a bravura de muitos heróis, o Banco Alimentar consegue fazer chegar alimentos a milhares de pessoas durante o ano inteiro. Por mais simples que seja a sua contribuição, sempre fez, faz e fará a maior diferença. Continue a ser o herói de muitos milhares de pessoas carenciadas”. Foi desta forma que o Banco Alimentar Contra a Fome anunciou a próxima campanha de recolha de alimentos para o próximo fim-de-semana.

Os Bancos Alimentares Contra a Fome voltam a recolher alimentos no fim-de-semana de 5 e 6 de Maio, em 813 estabelecimentos comerciais localizados nas zonas de Lisboa, Porto, Coimbra, Évora, Aveiro, Abrantes, S. Miguel, Setúbal, Cova da Beira, Leiria-Fátima, Caldas da Rainha/Óbidos, Algarve e Portalegre.

A campanha deste fim-de-semana constituirá uma nova oportunidade para os portugueses evidenciarem a sua habitual postura solidária com as pessoas mais desfavorecidas da sua região. Esse é, aliás, o sentido do anúncio relativo a esta campanha de recolha de produtos alimentares: “Com a coragem e a bravura de muitos heróis, o Banco Alimentar consegue fazer chegar alimentos a milhares de pessoas durante o ano inteiro. Por mais simples que seja a sua contribuição, sempre fez, faz e fará a maior diferença. Continue a ser o herói de muitos milhares de pessoas carenciadas”.

A campanha deste fim-de-semana decorre nos moldes tradicionais: voluntários dos Bancos Alimentares Contra a Fome, devidamente identificados, solicitam a participação à entrada de cada um dos estabelecimentos comerciais. Para participar basta aceitar um saco de plástico do Banco Alimentar e nele colocar bens alimentares para partilhar com quem mais precisa. São privilegiados os produtos não perecíveis, tais como leite, conservas, azeite, açúcar, farinha, bolachas, massas, óleo, etc.banco_alimentar_net.gif

 

Trabalhar pela inclusão social

Contribuindo com trabalho, tempo, disponibilidade e produtos alimentares, o cidadão comum torna-se assim o verdadeiro “herói” desta causa. A combinação da solidariedade generosa dos portugueses e da eficácia comprovada da acção dos Bancos Alimentares Contra a Fome na tentativa de minorar a penosa realidade da pobreza, constitui a prova evidente de que a sociedade civil se pode – e deve – substituir com vantagem ao Estado na resolução de alguns dos problemas com que se confrontam as sociedades modernas.

 

Mais de 16 mil voluntários em campo

A campanha do próximo fim-de-semana mobilizará aproximadamente 16 mil voluntários, que irão recolher e transportar as contribuições efectuadas nos estabelecimentos comerciais para os armazéns dos treze Bancos Alimentares em actividade.

O produto da campanha, ainda com recurso ao voluntariado, será distribuído localmente a partir da próxima semana a pessoas com carências alimentares comprovadas através de 1280 Instituições de Solidariedade Social previamente seleccionadas e acompanhadas.

Os Bancos Alimentares Contra a Fome são um bom exemplo de que o trabalho coordenado de todas as partes envolvidas na luta pela inclusão social (empresas da indústria agro-alimentar que doam produtos, doadores financeiros, voluntários que oferecem o seu tempo e trabalho e instituições de solidariedade social que recebem e entregam os produtos aos carenciados) tem resultados muito superiores aos que seriam obtidos com a acção isolada de cada um destes agentes, pois gera um efeito multiplicador ao conjugar um elevado número de boas-vontades.

“Aproveitar onde sobra para distribuir onde falta” é a filosofia subjacente, evitando o desperdício de alimentos e fazendo-os chegar às pessoas com carências alimentares. O Banco Alimentar Contra a Fome recebe ao longo de todo o ano todo o tipo de géneros alimentares. São recolhidos localmente e a nível nacional no estrito respeito pelas normas de higiene e de segurança alimentar.

 

Campanha “Ajuda Vale”

Dado o êxito registado em Novembro, vai ser simultaneamente realizada a Campanha “Ajuda Vale”: o cidadão continua a poder escolher os produtos que pretende destinar ao Banco Alimentar Contra a Fome, embora a restante logística seja assegurada pelo próprio estabelecimento. Este sistema – especialmente adequado às pequenas superfícies em que, por razões de espaço é difícil a presença de voluntários – será levado a cabo até 13 de Maio em todas as lojas das cadeias Dia/Minipreço, El Corte Inglês, Jumbo/Pão de Açúcar, Lidl, Modelo/Continente.

Nesses estabelecimentos serão disponibilizados em suportes próprios cupões-vale de 5 produtos seleccionados (azeite, óleo, leite, salsichas e atum). Cada cupão representa uma unidade daquele produto (por exemplo, “1 litro de azeite”, “1 litro de leite”, etc.). Além de mencionar que se trata de uma entrega destinada ao Banco Alimentar Contra a Fome, este cupão refere de forma clara a identificação do tipo de produto, da unidade e do correspondente código e barras, através do qual é efectuado o controlo das dádivas. Ao efectuar o pagamento, o dador entrega o cupão “Ajuda Vale” na caixa registadora. O respectivo código de barras é lido e somado à conta a pagar.