Trofenses Mariana Ribeiro e Mafalda Diogo realizaram a audição para a Northern Ballet School e foram distinguidas pelo seu desempenho.

“Quase como por brincadeira” e pela “experiência”, Mariana Ribeiro e Mafalda Diogo, ambas residentes em S. Martinho de Bougado, decidiram fazer a audição para um curso de três anos, a começar em setembro de 2013, na Northern Ballet School, “uma prestigiada escola de ballet” no Reino Unido.

Foi através de Márcia Ferreira, professora da Passos de Dança da Junta de Freguesia de S. Martinho de Bougado, que as alunas souberam da audição que ia decorrer no dia 26 de março, numa escola do Portoe que consistia numa “aula de ballet clássico”, com a duração de “uma hora”, e “ exercícios em pontas”, terminando com “um solo de jazz”, em que cada aluna tinha que apresentar aos membros do júri uma coreografia previamente preparada.
Como “sempre soube” que queria “seguir dança”, Mariana Ribeiro, de 16 anos, decidiu fazer a audição, com o intuito de “experimentar e ver o que a escola exigia”, pois fazia parte dos seus planos “entrar” nesta escola “daqui a dois anos”. “Fomos mais descontraídas, fomos para experimentar basicamente”, frisou.
Na entrevista individual, Mariana informou que “não se estava a candidatar para já, mas sim para daqui a dois anos”. Mas quando o júri afirmou que “muito provavelmente teria a oportunidade de ingressar na escola em setembro deste ano”, Mariana foi apanhada de surpresa. “Eu não estava a espera de entrar, muito menos ter as notas dos 20 melhores do mundo, foi algo completamente inesperado, mas foi muito bom mesmo”, salientou.
A sua ida para o Reino Unido, está dependente do valor da bolsa de estudo. “Se for suportável” para os seus pais, Mariana ingressa na Northern Ballet School, em setembro. As expectativas para esta nova etapa estão “altas”, pois esta “escola tem um nível incrível”.

Esta é uma oportunidade que “não pode desperdiçar” e, por essa razão, decidiu “não terminar o curso de Línguas e Humanidades, na Escola Secundária da Trofa. “Desta vez, consegui a bolsa e ninguém me garante que, no próximo ano, consiga outra vez”, acrescentou.
O facto de ir para um país com uma cultura, hábitos e língua diferentes não a “assusta”,
sabendo que o seu futuro profissional passa pelo estrangeiro, porque, “infelizmente”, em “ballet não há grandes oportunidades em Portugal”.

Mariana Ribeiro, que conta com o apoio da sua família, narrou que o gosto pelo ballet começou com “uma brincadeira”, quando entrou, com dez anos de idade, na escola Passos de Dança.
Na altura iniciou-se na vertente de jazz, porque a turma de ballet “só tinha alunas mais novas” e, como era “mais velha”, sentiu-se “melhor integrada” na turma de jazz. “Três anos depois”, ao ver as coreografias da aula de ballet, a sua “curiosidade aumentou” e decidiu “experimentar”, de forma a “melhorar” a
sua “prestação no jazz”, uma vez que o ballet é a “base de todas as técnicas”.

Mafalda Diogo quer ingressar na escola no próximo ano

Mafalda Diogo, também de 16 anos, decidiu participar para ter uma “perspetiva diferente sobre o ballet”. A sua audição “correu bem”, tendo-se “divertido”.
“Gostei imenso da experiência, foi uma coisa diferente. Acho que todos estávamos mais preocupados em dançar, em divertimo-nos e a mostrarmos aquilo que somos enquanto bailarinos, e não apenas demonstrar passos e técnica”, descreveu.
Por parte do júri, a jovem bailarina teve uma nota positiva: “Disseram-me que tinham gostado, que tinha bom físico, que tinha muito potencial e à vontade, bem como uma parte artística boa”.
Apesar das notas positivas, Mafalda Diogo decidiu, juntamente com os pais, terminar o curso de Línguas e Humanidade, que está a frequentar na Escola Secundária da Trofa, e, para o ano, vai “repetir a audição”. “Desde pequenina”, que a jovem dizia que “queria fazer ballet”, mas como na Trofa “não tinha nada” foi adiando o sonho de “ser bailarina”, até que, aos 11 anos, descobriu a Passos de Dança, onde experimentou ballet clássico e depois começou a aprender jazz.
Do currículo destas jovens destaca- se a segunda participação no International Dance Theatre Awards, em Manchester, em fevereiro de 2013, nas modalidades de ballet clássico e dança jazz.
Mariana foi uma das seis bailarinas de ballet clássico que, entre 70 participantes, recebeu a distinção “Special Commendation”. Já em 2012, Mariana Ribeiro e Mafalda Diogo foram as únicas representantes portuguesas, dos 300 bailarinos em competição, que apenas recebe bailarinos convidados da International Dance Teachers Association (IDTA). Antes desta prova, as alunas participaram numa no Porto, de onde trouxeram “dois terceiros lugares e um segundo”. Paralelamente, as jovens bailarinas estão a fazer um “curso de professora de ballet” na Passos de Dança, onde dão aulas de ballet clássico às crianças, com idades entre os três e os oito anos.
Para a professora Márcia Ferreira, a segunda nomeação para o IDTA, bem como as notas positivas na audição para a Northern Ballet School é “um feito muito importante”, principalmente, porque “nunca nenhuma portuguesa” esteve na competição do IDTA. “São miúdas muito empenhadas, muito trabalhadoras, muito dadas à dança e ao seu sonho. São a prova viva de que vale a pena sonhar e que quando se trabalha, 90 por cento das vezes atinge-se o sonho”, concluiu.