A Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão aproveitou as comemorações do Dia Europeu sem carros, para apresentar estudo pioneiro de uma rede ciclável urbana com 20 quilómetros de extensão.

“A ambição é fazer de Vila Nova de Famalicão uma cidade amiga dos transportes suaves, muito concretamente da bicicleta e de todos quantos fazem da bicicleta um meio de desporto, de recreio e inclusivamente como meio de transporte”. 

Foi desta forma, que Paulo Cunha, vice-presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, deu a conhecer, no sábado, dia 22, um estudo pioneiro com vista à criação de uma rede de vias cicláveis urbanas com 20 quilómetros de extensão. A cerimónia de apresentação decorreu no auditório da Fundação Cupertino de Miranda e contou também com a presença do professor universitário António Babo, especialista na área do planeamento e mobilidade, que está a trabalhar com o município neste projeto, que visa dotar a cidade de boas condições de mobilidade para as bicicletas. 

Ao todo, serão criados cerca de 20 quilómetros de rede de vias cicláveis, a criar no centro urbano de Famalicão de acordo com o perfil das artérias que atravessam, com a criação preferencial de vias mistas (faixa de rodagem para veículos motorizados e para veículos não motorizados), via ajustamento do rodoviário automóvel. A rede é composta por seis percursos que se entrelaçam no centro da cidade e se afastam para diferentes pontos da periferia, de forma a captar ciclistas junto das zonas mais povoadas. 

Para além do núcleo urbano central, a rede de ciclovias propostas têm como pontos referenciais os principais equipamentos públicos da cidade, com destaque para a zona escolar e desportiva, os espaços verdes citadinos e as estações de transportes públicos. A autarquia famalicense vai desde já avançar para a segunda fase do processo, que passa por estudar com pormenor o tipo de intervenção necessário em cada via para a inclusão do corredor ciclável, para, numa fase posterior e de forma faseada, avançar para a criação física da rede.

Leia a reportagem completa na edição desta semana d’ O Notícias da Trofa, disponível num  quiosque perto de si ou por PDF.

{fcomment}