EB 2/3 Professor Napoleão Sousa Marques acolheu e participou no 1º Encontro de Atividades Rítmicas e Expressivas do Desporto Escolar. EB 2/3 de Alvarelhos também foi uma das participantes.

No meio do reboliço dos participantes, as alunas da Escola Básica (EB) 2/3 de Alvarelhos preparavam-se para a atuação. Eram o quinto grupo a entrar em cena, no 1º Encontro de Atividades Rítmicas e Expressivas. Apresentaram uma dança aeróbica e como boas participantes também pensavam no prémio final. O nervosismo estava presente, mas as meninas contaram com o precioso apoio da professora, Ana Silva, que lhes alertou para “a importância de participar”, independentemente do resultado final.

Próxima concorrente: EB 2/ 3 Professor Napoleão Sousa Marques. A anfitriã, que recebeu este encontro, estreou-se na participação. O grupo de alunas apresentou um misto de estilos, perante o olhar atento da professora Eduarda Carneiro. “Desde setembro que estamos a treinar com dois ensaios semanais. Acho que fizemos boa figura e que correu tudo bem. Estamos ainda num nível muito inicial, pois o projeto começou este ano. Já lhes disse para irem com calma, pois vai dar frutos, futuramente”, afirmou a professora de educação física.

A EB 2/3 Professor Napoleão Sousa Marques abriu as portas para receber uma iniciativa que os responsáveis consideram muito importante para os jovens. Paulino Macedo, diretor do estabelecimento, foi um espectador atento e viu a performance das 26 escolas representadas. “São atividades no âmbito do Desporto Escolar que visam a educação integral dos alunos, mas de uma forma muito especial a ocupação dos tempos livres de uma forma criativa e formativa. Claro que isto é mais um passo para caminharmos para o sucesso escolar em que os alunos se envolvem, gostam e participam ativamente”, sublinhou.

Diferentes estilos de dança puderam ser vistos neste encontro da responsabilidade da Direção Regional de Educação do Norte. Isabel Cruz, diretora regional adjunta de Educação do Norte, considera que “o desporto escolar
é fundamental para a educação global e a mobilização dos alunos pela escola”. “Este desporto escolar educa os jovens no rigor, no trabalho, no esforço, ferramentas que eles constroem, regras que eles se apropriam e que podem transportar para dentro da sala de aula”, frisou. Por outro lado, estas iniciativas “mobilizam as organizações, as famílias e a comunidade”.

As danças rítmicas não são a única modalidade praticada na escola. Também se praticam o ténis e o futsal, afirmou Paulino Macedo. “Espero que seja a semente de um trabalho que está a começar e que, provavelmente, vai dar frutos”, concluiu.

{fcomment}