A Junta de Freguesia registou uma execução orçamental que “rondou os cem por cento” e ainda transferiu 20 mil euros para o orçamento de 2013.

As contas de 2012 da Junta de Freguesia do Muro mereceram a aprovação unânime da Assembleia, que reuniu na noite de terça-feira, 30 de abril.

De acordo com o presidente do executivo murense, Carlos Martins, que apresentou o documento contabilístico, a execução orçamental “rondou os cem por cento”, já que “o valor previsto foi de 150 mil euros e foram obtidos 145 mil”. A Junta conseguiu ainda transferir 20 mil euros do saldo resultante do ano anterior para o orçamento de 2013.

Na análise das contas, o social-democrata José Martins chamou à atenção para “o aumento das despesas de conservação e reparação”, em “5200 euros”. “Não sei se houve alguma desatenção relativamente a essas despesas”, sublinhou.

Apesar de louvar a “manutenção das transferências para as instituições” e “a redução de despesas de pessoal”, o elemento do PSD assinalou “a redução” da respetiva verba na ordem dos “2500 euros”, assim como para “a contenção de dois mil euros ao nível de obras”. “A Junta recebeu mais oito mil euros que o ano anterior, mas emagreceu na distribuição para as instituições e no investimento de capital, o que fez com que a Junta juntasse mais dez mil euros para passar para 2013 cerca de 20 mil. Eu tenho esperança que esse valor seja investido nas obras que tem para este ano”, frisou.

Em resposta, Carlos Martins explicou que o saldo de 20 mil euros foi conseguido graças “à Câmara Municipal”, que “transferiu, no dia 31 de janeiro, todas as verbas que faltavam do protocolo de 2012, respeitantes a dois meses”, explicou. “Com certeza que, como não tínhamos obra para pagar, ficamos com esse dinheiro em caixa, onde já tínhamos algum. Foi um aumento de cerca de dez mil euros”, adiantou.

Leia a reportagem completa na edição desta semana d’ O Notícias da Trofa, disponível num  quiosque perto de si ou por PDF.