Ouro e dinheiro foram os objetos furtados de um apartamento situado em Guidões, à face da Estrada Nacional 104. 

Os gritos da moradora de um apartamento, que fica no último piso do bloco número 365, alertou os restantes inquilinos do Edifício Varandas do Ave, em Guidões. A senhora tinha chegado a casa vinda da fisioterapia, quando se deparou com a fechadura arrombada e a casa remexida. Quatro pulseiras e dois fios em ouro, sete anéis, um par de argolas e 350 euros, que tinha levantado no dia anterior, foram os objetos furtados.

Os assaltantes procederam de forma cautelosa. Ainda não se sabe como entraram no edifício, que fica à face da Estrada Nacional 104, mas o certo é que tomaram todas as medidas para não serem identificados. Depois de subirem até ao último piso, os assaltantes taparam o óculo do apartamento em frente, com uma folha de uma planta, para que, caso os moradores se apercebessem de algo, não pudessem ver o que se passava. De seguida, arrombaram a fechadura e levaram vários objetos.

O delito terá ocorrido entre as 15.30 e as 17.15 horas, horário em que a lesada estaria na fisioterapia. A senhora, com cerca de 58 anos, vive sozinha. A Guarda Nacional Republicana da Trofa (GNR) deslocou-se ao local, tendo chamado o Núcleo de Investigação Criminal (NIC) que procedeu à recolha de provas. Também foi necessário a intervenção de uma ambulância de socorro, com dois elementos dos Bombeiros Voluntários da Trofa, para prestar assistência à senhora que ficou em estado de choque. Há 15 dias, a irmã da lesada também foi alvo de furto.

Assaltante furtou cerca de 15 mil euros

Já na madrugada de domingo, uma vivenda, situada na Rua da Lagoa, em frente à Junta de Freguesia de Santiago de Bougado, foi alvo dos “amigos do alheio”. Cerca de 15 mil euros, entre ouro, dinheiro e relógios, foram furtados. O assalto terá ocorrido na madrugada de domingo, entre as 00.30 e 8 horas, onde os indivíduos terão estroncado o canhão da fechadura da porta principal, que fica à face da EN 104, para poderem cometer o delito.

O NIC esteve no local a recolher provas, mas o caso encontra-se a cargo da GNR. Segundo informações recolhidas no local, o morador tem várias lojas de ouro usado, por todo o país.

{fcomment}