Entrevista a Pablo Lopes, candidato da CDU à freguesia de Alvarelhos e Guidões

 

O melhoramento das vias de comunicação e dotar a freguesia de melhor serviço nos transportes públicos são as propostas de Pablo Lopes, para a freguesia de Alvarelhos e Guidões.

 

O Notícias da Trofa (NT): O que o leva a candidatar-se à freguesia?
Pablo Lopes (PL): O que me leva a ser candidato à freguesia é a representatividade e a expressão em votantes que a CDU tem em Guidões, sendo que o objetivo é alargar isso aos alvarelhenses, a confiança dos meus camaradas e a convicção de que isso é possível.

NT: Quais são os projetos que apresenta para o mandato?
PL: O melhoramento das vias de comunicação a nível de circulação e de segurança, a reabilitação dos espaços desportivos, conservação e ampliação de espaços verdes, dotar a freguesia de melhor serviço no âmbito dos meios de transporte públicos.

NT: Qual o projeto/área prioritário(a) caso seja eleito?
PL: As questões sociais, de mobilidade e a desagregação das freguesias.

NT: Quais as principais carências da freguesia?
PL: As principais carências são vias de comunicação em condições de circulação, mais eventos culturais, transportes públicos que sejam mais abrangentes e lutar pela desagregação das duas antigas freguesias, Alvarelhos e Guidões, cada uma com um riquíssimo património cultural próprio.

NT: Considera importante que a Câmara e a Junta de Freguesia sejam governadas pelo mesmo partido político? Porquê?
PL: Pode até ser importante, mas não é essencial para que quem governe a Câmara ou a Junta de Freguesia faça o seu trabalho com honestidade e competência.

NT: Quais as obras que considera mais urgentes a ser realizadas pela Câmara Municipal?
PL: Uma das obras mais importantes é a variante da Trofa, mas que não seja só mais uma Via de comunicação, mas sim uma real alternativa à caótica EN 14.
Sem esquecer que uma das obras mais urgentes e uma vez mais adiada é o metro.

NT: Como avalia a evolução da freguesia ao longo dos 18 anos do Município da Trofa?
PL: A freguesia e o Município evoluíram, nem seria de esperar outra coisa. A questão é que a freguesia continua ruralmente isolada, isto é sem bons acessos e sem meios de transportes realmente abrangentes e, como tal, essa evolução ficou um tudo ou nada aquém do expectável, quer em termos quantitativos quer em termos qualitativos.