Começo por clarificar que escrevo sobre as aldeias de S. Martinho de Bougado. Melhor ainda, escrevo sobre duas das aldeias desta freguesia e mais tarde falarei das restantes.

Pretendo com este texto alertar para algumas situações existentes em alguns lugares da freguesia mais populosa do nosso concelho, esperando fazer justiça com a população e simultaneamente denunciar o incumprimento de promessas dos sucessivos autarcas.

A aldeia de Paradela tem a particularidade de possuir, há várias décadas, uma rede de distribuição de água construída, mantida e administrada pela população.

Recorrendo à madeira do Monte dos Pobres e ao contributo da população foram feitos furos para captação de água e construída uma rede que a distribuía pela população. Tudo isto muito antes da distribuição de água na zona central da cidade.

Jaime TogaApesar das dificuldades, há sempre meia dúzia de moradores que assumem a “Comissão da Água” e garantem o conserto das roturas que vão surgindo na canalização, recebem a água casa a casa e prestam contas aos restantes moradores todos os anos.

Mesmo enfrentado dificuldades, em Paradela há água ao domicílio e a um preço muito mais baixo do que o que será praticado no futuro.

Perante esta realidade uma dúvida legitima se coloca. Não deverá a população de Paradela ser beneficiada pelo facto de ao longo de muitos e muitos anos se ter substituído à Câmara e ter garantido uma rede própria de distribuição de água?

Não será justo considerar-se uma redução do preço de ligação à rede de distribuição de água actualmente em construção em Paradela, como forma de premiar esta população que não baixou os braços e fez o que a Câmara e a Junta não fizeram e deveria ter feito?

O Monte dos Pobres, ao qual agora chamam Monte de Paradela, é outro dos exemplos da forma como se comporta a população desta aldeia.

Na aldeia da Abelheira, desde muito novo, que me habituei a frequentar a Louseira. Hoje aquele é um espaço entregue a uma Associação e como tal vedado.

Não questiono a justeza da entrega daquele espaço a uma Associação, apenas me parece que mais de cinco anos após a decisão da Assembleia de Freguesia algo mais deveria estar feito.

Será que aquela Associação tem já um projecto definido e aprovado para aquele local? Será que a Câmara e a Junta têm apoiado devidamente aquele projecto?

Para bem da Abelheira e do concelho espero que brevemente haja naquele local um equipamento com a dignidade que a população merece.

Na mesma aldeia, nas proximidades da Louseira, segundo moradores havia um caminho público que foi bloqueado em função de várias deposições de entulho.

O anterior presidente de Junta foi alertado em Janeiro de 2004. Mais tarde, os mesmos moradores alertaram o actual presidente de Junta, no entanto o problema mantém-se e o caminho público continua cheio de entulho. Até quando?

A realidade da freguesia e do concelho justifica que volte a escrever sobre outros lugares da nossa terra… até lá esperemos que se faça justiça e se corrijam os problemas!

Jaime Toga