Autodidata e um “sentimental pela arte”. É assim que José Costa Pinto, morador no Coronado, se assume perante o desenho e a pintura. A paixão nasceu ainda em criança, na 3.ª classe. A primeira gravura que fez retratava Luís de Camões e, a partir daí, não mais parou. Os professores pediam determinados trabalhos, mas José Pinto acabava por “distorcer” as indicações, apresentando trabalhos “completamente diferentes do que pediam”. Um professor, mais tarde, aconselhou-o: “Disse-me para ir para Belas-Artes, porque eu distorcia os trabalhos, que ficavam mais engraçados do que os que ele pedira”.

Continuou a alimentar o gosto pela arte, utilizando vários materiais: tinta-da-china, tela, azulejos e gesso. Os temas são variados e não seguem nenhum fio condutor, mas acompanham os estados de espírito de José Costa Pinto. Parte do portefólio deste artista está, agora, em exposição no salão nobre da Junta de Freguesia do Coronado até 31 de agosto.

A inauguração aconteceu na tarde de segunda-feira, 10 de agosto. O presidente da Junta de Freguesia, José Ferreira, explicou que o apoio dado ao artista “era merecido”, uma vez que José Pinto “é uma pessoa sempre disponível para ajudar”, dando o exemplo da colaboração dada na Associação de Solidariedade Social do Coronado (ASCOR). “A Junta está disposta a apoiar e divulgar as qualidades que temos na freguesia”, assinalou. C.V.