O Colégio A Torre dos Pequeninos está a desenvolver um ciclo de workshops experimentais, relacionados com o tema anual “Despertar para a Ciência”.

“Aprender com a tartaruga” é o nome dos workshops promovidos pelo Colégio A Torre do Pequeninos. Dirigidas a todos os alunos dos dois aos cinco anos, as formações “pretendem dar a conhecer e explorar as potencialidades da ‘Tartaruga’ (um robô), a aplicação mais conhecida da linguagem de programação Logo nesta faixa etária”, afirmou fonte da escola.

Esta linguagem tem sido utilizada, especialmente, para trabalhar com crianças e adolescentes e foi desenvolvida nos anos 60, nos Estados Unidos.

A aplicação da linguagem de programação à robótica através da “Tartaruga” permite a exploração e construção de conceitos matemáticos, intimamente ligados à geometria, às noções topológicas (espaço, vizinhança, ordem, continuidade), com a definição de trajectos mensuráveis que a criança programará, comandará e quantificará, associadas ao raciocínio lógico e à programação. “Trata-se de uma ferramenta de aprendizagem de inspiração ‘construtivista’ (Jean Piaget), valorizando a resposta imediata das realizações das crianças, por tentativa-erro”, explicou a mesma fonte.

Esta iniciativa é coordenada pela educadora Susana Alves e conta com o apoio do Instituto de Estudos da Criança (IEC), da Universidade do Minho.

Para Amílcar Sousa, director executivo d’A Torre dos Pequeninos, esta é uma boa iniciativa: “Demonstra bem como levamos a sério o compromisso que assumimos com os pais, através da concretização do nosso Projecto Educativo de Escola. Por um lado revela a valorização do ensino das ciências exactas desde o Jardim-de-infância até ao final do 1º Ciclo, assegurando que a aprendizagem da Matemática se constitua como um mecanismo fundamental para o desenvolvimento do pensamento lógico e autónomo da capacidade de ler e interpretar o mundo e, por outro lado, permite o debate e o intercâmbio que procuramos promover com instituições, professores e especialistas externos, enquanto elemento vital de formação de toda a equipa”.