Embora nenhum responsável o admita, é notória a capacidade do Trofense em discutir a subida de divisão. Com um plantel sustentado na experiência de muitos jogadores no patamar superior, recheado com alguns jovens talentos, o terceiro lugar à sétima jornada mostra o potencial de uma equipa com condições para continuar a roer os calcanhares aos primeiros classificados.

toni2(antonioconceicao).jpgMas pela aprendizagem obtida ao longo de muitos anos ligados ao futebol, enquanto jogador e, agora, como treinador, António Conceição sabe das "reviravoltas que podem acontecer de uma jornada para a outra" e, por isso, tem certas cautelas. "Esta Direcção fez um projecto para dois ou três anos e, então aí, estarão reunidas as condições para se tentar colocar o clube na primeira divisão. Conseguimos um bom arranque e as surpresas podem acontecer mas esta é uma prova difícil e ainda é muito prematuro falar nessa meta. Ando no futebol há muitos anos e não gosto nada de projecções", sublinhou.

No fundo, está "satisfeito com o rendimento global" e como confia "no valor e no comportamento dos jogadores", o essencial é "continuar a trabalhar" e procurar melhorar. "Quero sempre mais. Temos um plantel com uma mescla de juventude e experiência, o que é importante. Mas mesmo os mais experientes precisam de tempo para se adaptarem à realidade da Honra".

O próximo adversário dá pelo nome de Beira-Mar, "um candidato assumido", e o técnico prevê "um jogo bem disputado", com um grau de dificuldade repartido

S.C. / O Jogo