“Sem apoio da Câmara da Trofa, conseguimos requalificar a Casa Mortuária e pavimentar várias ruas”

Liderou durante 12 anos a freguesia de Santiago de Bougado e nas próximas eleições deixa “um valor patrimonial imenso”. Só não conseguirá construir a obra que serviu de bandeira política: o Centro de Dia. António Azevedo diz que “há dinheiro” para a empreitada, mas acusa autarquia de “discriminação”.

O Notícias da Trofa (NT): Como avalia o mandato que está prestes a completar, assim como toda a sua estadia na Junta de Freguesia de Santiago de Bougado?

António Azevedo (AA): Sobre a “avaliação deste mandato”, direi que foi um misto de uma vontade e de uma luta enorme por parte da Junta de Freguesia de Santiago de Bougado de construir a Casa Mortuária, Centro de Dia e alguns arruamentos e uma vontade clara por parte da Câmara Municipal da Trofa, na pessoa da senhora presidente Joana Lima, para que nada fosse feito na freguesia de Santiago de Bougado. Mesmo assim, e sem apoio nenhum da Câmara da Trofa, ainda conseguimos requalificar a Casa Mortuária e pavimentar várias ruas…

Em relação à “avaliação a toda a sua estadia na Junta de Freguesia”, permita-me que sejam os bougadenses a avaliar o nosso trabalho de 12 anos, não a nossa estadia, pois a Junta de Freguesia nunca foi para nós um local de férias.

Leia a reportagem completa na edição desta semana d’ O Notícias da Trofa, disponível num  quiosque perto de si ou por PDF.