Empresa da Trofa desenvolve software exclusivo para melhorar processo de inventariação e controlo de stocks

 O Ministério da Defesa contratou à empresa trofense Altronix 51 terminais de leitura de código de barras para otimizar o processo de inventariação dos três ramos das Forças Armadas.

Até há pouco tempo, o processo de inventariação – e controlo de stocks – do Ministério da Defesa era feito através da impressão de listagens e verificação manual pelos operadores. Além de demorado, este processo era muito suscetível a erros de identificação de produtos e foi para terminar com este método obsoleto que a tutela decidiu contratar à Altronix uma solução que consistia em terminais industriais de leitura de código de barras, controlados por um software “totalmente desenvolvido” pela empresa da Trofa.

Rui Fonseca, responsável da Altronix, explicou que “uma das fases mais difíceis” foi a integração do novo software no que já existe no Ministério da Defesa (MD). “Basicamente, tivemos que pôr um software a falar com o outro”, explicou, em declarações ao NT. “Cumprindo com todos os parâmetros solicitados e capaz de ser totalmente personalizado, a usabilidade intuitiva e facilidade de operação foram os principais fatores a ter em conta durante o desenvolvimento da aplicação. Além da possibilidade de inventariar o stock, é possível importar uma lista de produtos e quantidades para posterior verificação. Destacamos esta capacidade da aplicação que permite sincronizar o inventário existente com as novas contagens”, explicou Rui Fonseca.

Com esta solução, o Ministério tutelado por José Pedro Aguiar-Branco abdica do papel e da caneta e opta por um processo que funciona “de forma centralizada e automática”. “Este é o caminho, pois ao deixarmos o papel deixamos de ter erros humanos, ou seja, a leitura é feita num processo automático, que diminui drasticamente os enganos”, afiançou.

Segundo o responsável da empresa, o software Mobilix Stocks foi desenvolvido para 51 terminais de leitura de código de barras e, para 2014, o MD prepara-se para encomendar mais 400 terminais e licenças de aplicação móvel para o Exército.

A tutela confirmou, de acordo com o Jornal de Negócios, a aquisição “por ajuste direto, com o parecer favorável da Agência para a Modernização Administrativa, equipamentos de leitura ótica”, para “o Ministério e os três ramos das Forças Armadas”, num contrato com o valor de 45 mil euros.

Fundada em 2004, a Altronix é uma PME Líder e fatura anualmente três milhões de euros. Com 20 colaboradores a trabalhar, a empresa tem registado um crescimento do negócio, que obrigou a obras de ampliação. “Vamos passar dos nossos atuais 1100 metros quadrados para dois mil metros quadrados, que vão dar novas condições de trabalho, quer do ponto de vista da investigação, quer da produção. Continua a haver da nossa parte uma grande aposta em continuar a trabalhar bem a partir da Trofa, apesar destes anos tão difíceis, numa conjuntura, por vezes, tão selvagem”, concluiu.

A empresa acumulou já 5400 projetos em Portugal, Moçambique, Angola, Cabo Verde, Timor Leste e Espanha.