O nosso Planeta tem forçosamente de irradiar a energia que recebe para assim poder manter o equilíbrio entre a energia que entra e a que sai. No entanto, com o dito aumento do efeito de estufa, mais energia fica retida na Terra. Assim este equilíbrio quebra-se. Mas é imperioso que o mesmo seja devidamente restabelecido. Mas como? Aqui está uma grande incógnita. E quais os efeitos que surgem ou poderão surgir caso este equilíbrio não se verifique devidamente?

  O efeito mais óbvio que se possa pensar é o aquecimento global do nosso Planeta. Pois se o efeito de estufa aumenta, aumenta o calor na Terra! No entanto, este pode não ser o caso, pois o clima é de facto imprevisível. Pensamos que ninguém acreditará cegamente no boletim meteorológico!

 Por outro lado, outras alterações podem levar a que o aquecimento seja bastante inferior àquele que seria de prever. De facto, na maioria dos círculos científicos a questão já não é se o aumento dos gases de estufa vai induzir alterações climáticas, mas antes que alterações serão essas e qual o melhor processo de as medir.
O que é importante e devemos reter é que o efeito de estufa afecta as trocas de energia que naturalmente ocorrem no meio. A temperatura não passa de uma das formas de energia.

Assim, várias são as hipóteses de alterações climatéricas: o aquecimento global, como já foi dito, é a mais óbvia, embora não seja necessariamente a mais importante. Há alterações que são consequentes do aquecimento global, nomeadamente se, de facto, o aquecimento ocorrer, a subida do nível do mar (através do desgelo dos pólos e da expansão térmica da água) é quase certa.

Contudo, outras alterações existem que provavelmente vão ocorrer ainda antes que o aquecimento global seja visível, sendo no entanto por vezes ainda mais difícil de identificar como consequência: mudanças nos padrões das chuvas (que nos últimos anos parecem ter vindo de facto a ocorrer), das correntes oceânicas, da formação de nuvens, mudanças na composição do solo, etc. Estes são os complexos factores que a ciência ainda tem por esclarecer.

Já foram detectadas alterações nos padrões das chuvas no Hemisfério Norte. Desde 1955 a zona entre os 5° e 35° tem tido uma diminuição nas chuvas, enquanto que entre os 35° e 70° tem aumentado.

Face ao exposto há que responsabilizar os "culpados"…e tentar a todo o custo evitar a emissão dos gases de estufa, conseguir uma maior eficiência na produção e consumo de energia, evitar o uso do carvão, fazer a reflorestação, etc., etc…..

Terminamos dizendo:

TEMOS QUE AGIR!

Alberto Maia