adapta.jpg

 

 

 

 

 

Com o objectivo bem delineado sobre o que pretende dar a conhecer, a ideia de fazer este livro, nasceu há cinco anos e foi coordenado por José Manuel Cunha.

Foi apresentado no passado dia 7 de Abril, o livro da autoria da ADAPTA e que tem como título “Região da Trofa – Sistemas Pré-Indistruais Ribeirinhos”. O livro foi apresentado na biblioteca da Casa da Cultura da Trofa, espaço que tornou pequeno para receber todas pessoas que quiseram assistir a esta cerimónia.

Com o objectivo bem delineado sobre o que pretende dar a conhecer, a ideia de fazer este livro, nasceu há cinco anos, juntamente com a criação da associação ambientalista, para dar a conhecer e preservar o património ribeirinho, assim como “evitar que as evidências de um tempo marcado pela ruralidade, mas também pela capacidade humana de elevar e domesticar a natureza venham a ser completamente destruídas”, afirmou Manuel Rodrigues da Silva, presidente da ADAPTA.

Consciente que “esta área do património tem um problema que é geral, que é a sua degradação que outras gerações souberam construir e do qual viveram”, Manuel Rodrigues da Silva afirmou que “este passado conhecido pode contribuir para a coesão e reforço da identidade de uma comunidade”.

José Manuel Cunha, coordenador da equipa do património da ADAPTA, estava visivelmente satisfeito por finalmente ver editado o trabalho de vários anos, realizado sempre nas horas livres mas com muito empenho e dedicação.

Para além do lançamento oficial do livro, a cerimónia foi completada com a uma apresentação em vídeo sobre o património ribeirinho da região. Na opinião do porta-voz da CCDR-Norte (Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte)“este tipo de atitude de divulgação e valorização, no que respeita ao Ave é muito importante” e que “está na altura de passarmos ao ataque, partirmos para outra fase, que é a fase de valorização, daí a necessidade de se avançar num estudo de requalificação das margens do Ave”. Com os investimentos aprovados em quadro comunitário e que são avaliados em seis milhões de euros para a Câmara Municipal da Trofa, o porta-voz afirmou que a situação “só me pode deixar optimista “porque vemos a obra a prosseguir e estou ainda convencido que a curto prazo a situação em termos de água do rio Ave vai melhorar”.

Foi ainda celebrado um protocolo com a Câmara Municipal, tendo em vista o levantamento do património, móvel e imóvel de cariz religioso, de S. Martinho de Bougado.