acidente-s.-romao
Um ferido ligeiro foi o resultado de um acidente de viação que envolveu um motociclo e um veículo ligeiro de mercadorias, esta terça-feira, na Rua do Horizonte em S. Romão do Coronado. Segundo as testemunhas no local o condutor do motociclo terá feito inversão de marcha “sem olhar”, não conseguindo evitar a colisão.

Constantino Águas nunca pensou ver uma mota atravessar-se no caminho que percorre diariamente. Apesar de ir devagar e de ainda ter tentado desviar a sua carrinha, não evitou a colisão com o motociclo, na EN 318, em S. Romão do Coronado, junto à estação de caminho-de-ferro. “Passo aqui diariamente e quando vi o senhor pôr-se em cima da mota, pôs o capacete e arrancou depressa e atravessou-se na rua, eu não tive hipótese”, contou ao NT/TrofaTv o condutor da carrinha, residente em Ermesinde.

O condutor do motociclo, único ferido resultante do acidente, acabava de sair do barbeiro e tinha deixado a mota encostada ao passeio na EN 318 e segundo as testemunhas fez inversão de marcha “sem olhar”. “O indivíduo que foi sinistrado tinha a mota estacionada na berma do passeio, sentou-se na mota e sem olhar para a esquerda fez inversão de marcha.

O indivíduo da carrinha que lhe bateu, vinha devagar e ainda tentou desviar-se, mas não conseguiu e bateu-lhe”, recordou António Penides, uma das testemunhas do acidente.

Tendo sido um dos primeiros a prestar socorro à vítima, António Penides ainda tentou falar-lhe, mas como não obteve resposta e porque o homem se encontrava “a deitar sangue pela boca”, ligou para o INEM. “Aproximei-me e vi que ele estava de bruços no chão, ainda perguntei se ele estava bem, ele não respondeu e estava a deitar sangue pela boca, rapidamente liguei para o INEM. Quando o INEM chegou ele já estava sentado e com várias pessoas à volta dele”, explicou.

O condutor do motociclo, de 53 anos, sofreu ferimentos ligeiros e foi de imediato transportado, pelos Bombeiros Voluntários da Trofa, para a unidade de Santo Tirso do Centro Hospitalar do Médio Ave.

Mas Constantino Águas, acredita que “se o indivíduo tivesse o capacete apertado em vez de estar solto, o capacete nunca saía e ele não batia no parabrisas da carrinha e não estava tão aleijado”.

A circulação automóvel, nos dois sentido da via, ainda esteve cortada por alguns minutos, mas depois de registada a ocorrência pela GNR da Trofa, os veículos foram afastados e a circulação foi restabelecida.