Associação Cultural Desportiva de Ciclismo da Trofa apresentou os equipamentos da equipa que marca o arranque do novo projeto desportivo concelhio.

Fazer a diferença no panorama ciclístico do concelho da Trofa é o objetivo da Associação Cultural Desportiva de Ciclismo da Trofa. A nova coletividade apresentou-se com 12 ciclistas que, na manhã de domingo, 29 de junho, estrearam os equipamentos para o arranque de um projeto que pretende atrair atletas dos “oito aos 80”. Ligado ao ciclismo há vários anos, José Martins é o homem do leme desta equipa.

Sentindo que “não fazia sentido estar a trabalhar fora do concelho”, decidiu “juntar um grupo de amigos” e desenvolver “um projeto que cause impacto” e dê “boa imagem à Trofa”, referiu em entrevista ao NT e TrofaTv.

Em passos lentos, mas seguros, a ACDC Trofa tem ultrapassado todos os obstáculos inerentes ao arranque de qualquer projeto, contando com “o apoio da Câmara Municipal e Junta de Freguesia de Bougado”. A maior dificuldade, e a ambição de qualquer associação, é a obtenção de uma infraestrutura própria. Para já, disse, a “Junta de Freguesia cede o seu edifício, em Santiago, para guardarmos carros e materiais”.

O projeto passa por constituir uma equipa “com vários escalões de formação”, que participe “em provas regionais de BTT” e cumpra o calendário do “nacional de estrada”.

Segundo José Martins, os 12 atletas que marcam o arranque da coletividade estão inscritos no ACDC Trofa “na modalidade de BTT” e “foram emprestados ao Vitória Sport Clube” para competir “na estrada”. “Temos várias pessoas pré-inscritas para escalões de formação, BTT e veteranos. Em cada escalão vamos tentar ter entre oito a dez ciclistas. A partir de agosto, o projeto arranca mesmo”, sublinhou.

Sem avançar números, José Martins frisou que a direção da coletividade “é trabalhar com o menor orçamento possível”.

Há 20 anos ligado à formação de ciclismo, tendo inclusive treinado o campeão do mundo Rui Costa, José Ribeiro é o diretor desportivo da nova associação. Do grupo que já tem à disposição, onde se inclui um ciclista que “está na seleção nacional de cadetes”, não tem dúvidas que existem atletas que “fazem a diferença” e, segundo a gíria do desporto, “têm motor” para se distinguir entre os melhores do país.

O trabalho junto dos mais novos incidirá “mais sobre questões técnicas”, ensinando “a andar na roda” e “a controlar o esforço”, descreveu o treinador Tiago Torres. “A partir de cadetes, as competições começam mais a sério e, aí, incidimos mais sobre as capacidades físicas, resistência e outras especificidades, como o contrarrelógio. Quando sobem para sub-23, os ciclistas têm que ter conhecimentos técnico-táticos que lhes permitam dar o salto para uma equipa profissional”, explicou.

Projeto já tem patrocinadores

Quanto aos equipamentos, foram conseguidos através de uma marca de vestuário de ciclismo, sediada na Trofa. A Di Garda é gerida por Paulo Brás, que decidiu “apoiar um projeto interessante no município”. “É uma modalidade em crescimento, que faz frente às de ginásio. Na Trofa existem muitas pessoas a praticar”, salientou.

Também a escola de condução Guiarte é patrocinadora do novo clube. “Decidimos apoiar, porque consideramos que o ciclismo é uma das modalidades que mais longe pode levar o nosso concelho, que já é uma terra de campeões”, explicou o sócio-gerente, José Moreira.

A empresa está disponível para passar “toda a informação” relativa à circulação rodoviária, através de ações de formação ou sensibilização, uma vez que “surgiram novas regras” relativas aos velocípedes.