“A saúde conquista-se”

O “pão vida” é um dos alimentos “saudáveis” que integram as ementas das cantinas das escolas básicas da Trofa, levadas a debate na acção de sensibilização “Saúde, higiene, alimentação e obesidade”, promovida pela Associação de Pais da Escola EB1 de Cidai e acreditada pela Trofa Comunidade de Aprendentes.

Pais e encarregados de educação dos alunos da Escola Básica de Cidai ficaram a conhecer o “pão vida”, que todos os dias as crianças de todo o concelho comem ao almoço nos estabelecimentos de ensino. Um pão especial, inserido num projecto de alimentação saudável, e apresentado por António Fontes, presidente da Associação de Industriais de Panificação, Pastelaria e Similares do Norte. O responsável pela AIPAN foi um dos convidados pela Associação de Pais da Escola EB1 de Cidai para a acção de sensibilização subordinada ao tema “Saúde, higiene, alimentação e obesidade”, acreditada pela Trofa Comunidade de Aprendentes.

O “pão vida” apresenta menos de um terço do sal que num pão normal, tem base numa mistura de três cereais e “já mereceu largos elogios por parte de várias entidades, algumas das quais na Assembleia da República”.

Este pão faz parte da ementa das crianças das escolas básicas da Trofa e chega através da distribuição da empresa de Fernando Ferreira, responsável pelos almoços que todos os dias da semana alimentam alunos e professores. O responsável, também convidado na iniciativa, sublinhou o facto de a empresa ser “a única que apresenta uma ementa diferente todos os dias durante seis semanas”.

Pelo segundo ano consecutivo a trabalhar para as escolas, Fernando Ferreira afirmou que o primeiro contacto com as escolas “foi difícil”, já que se tratava “de clientes que a empresa não conhecia”. Depois de ultrapassar algumas dificuldades que se prendiam com “resistência à mudança” a empresa conseguiu “ganhar a confiança dos pais e garantir uma alimentação saudável e diversificada às crianças”, objectivo que consegue cumprir com a ajuda da nutricionista da Câmara Municipal. Luísa Sá também esteve presente e apresentou algumas medidas que os adultos devem tomar na alimentação a dar às crianças.

Fernando Ferreira alertou ainda para o facto de haver crianças que aparentam ter problemas de pobreza. “Dói ver crianças que esperam ansiosamente pelo almoço, que se calhar vai ser a única refeição do dia para eles”. Por outro lado, Fernando Ferreira sublinhou ainda para a necessidade de se promover a “igualdade social” para que “todos os alunos sejam tratados da mesma forma e nenhum se sinta marginalizado relativamente a outro”. Esse passo passa também pela alimentação. Holanda Ferreira, enfermeira do Centro de Saúde da Trofa, deu algumas indicações sobre a alimentação que as crianças devem ter, assim como apontou alguns comportamentos de risco que prejudicam a saúde de pais e crianças e que “muitas vezes são inimigos da carteira”.

“A água é mais barata que um sumo e muito mais saudável. A questão prende-se por educar as crianças assumindo-se como modelo, porque são os pais quem os filhos adoptam como protótipo”, esclareceu a enfermeira.

Num plano nacional, estudos revelam que Portugal é o segundo país da Europa com maior prevalência de excesso de peso e obesidade em crianças e é necessário inverter a tendência, tomando consciência que “a saúde conquista-se”.