No seguimento das crónicas anteriores em que foram abordadas, amplamente, as várias obras públicas que foram acontecendo aqui no nosso burgo, foi possível relatar a velocidade lenta, para não usar a expressão popular de “… lenta, quase parada e parada”, que acabaria por se tornar como imagem de marca a Trofa, tal a velocidade com que as mesmas eram executadas, demonstrando que foi algo que atravessou as décadas até à atualidade.

Uma pequena pesquisa ao arquivo digital do Ministério da Economia, que é onde está armazenado o arquivo do Ministério das Obras Públicas, é possível perceber que, desde sempre ou quase sempre, existem fontes escritas em abundância, no seguimento da preocupação da memória futura.

A documentação mais antiga que foi possível encontrar e esquadrinhar é referente ao ano de 1882, concretamente ao dia de 25 de outubro, com o Ministério das Obras Públicas a declarar a utilidade pública e urgente a expropriação de várias porções de terreno para construção do lanço da estrada nacional n.º 9 e a estrada real n.º 3.

(…)

Colecione as crónicas com conteúdo histórico publicadas, em exclusivo, nas edições quinzenais d’O Notícias da Trofa.

Esta crónica só pode ser lida integralmente na edição impressa do jornal ou através da edição disponível para assinaturas online. Mais informações aqui