Na campanha eleitoral, havia vários cartazes a afirmar que a dívida da câmara ascendia a 36 milhões de euros. Após a tomada de posse do actual executivo camarário iam saindo notícias a conta-gotas, ora a Câmara devia 36M€, ora devia 60M€ de euros, ora 63 milhões. No final, chegaram ao número “mágico” de 66 milhões de euros.

Obviamente que a Câmara não devia aquele valor.

A Câmara devia um determinado valor que somado às responsabilidades assumidas para obras futuras, e depois de terminadas, poderia ascender àquele valor. Ou seja, a dívida realmente existente somada ao valor das obras contratadas e em curso como, por exemplo, a requalificação das escolas, o valor das candidaturas ao QREN – A regeneração dos parques, o Parque das Azenhas, o Área de Localização Empresarial da Trofa – e, ainda, ao valor dos subsídios às diversas organizações associações como, por exemplo, o futebol popular, etc., etc. totalizavam 66M€.

Resumindo, tudo serviu para aumentar o suposto valor da dívida. Tudo que mexia era dívida.

Por estes dias, foi publicada a notícia em diversos meios de comunicação social de que a Trofa é um dos municípios que mais deve. Não tardou muito, a Presidente de Câmara veio culpar o anterior executivo do PSD, emitindo um comunicado onde afirmava que a dívida de 68 Milhões de Euros não era da sua responsabilidade.

A novidade não foi culpar o anterior executivo. A novidade foi de admitir que a Câmara deve 68 MILHÕES DE EUROS.

A novidade foi que a Câmara deve mais dois Milhões de euros de há dois anos para cá!

Será que alguém me pode explicar?

Então a Câmara deve mais 2.000.000,00 de euros?

Como pode?

A requalificação das escolas anda a passo de caracol, os subsídios às colectividades do nosso concelho diminuíram, chegando ao ridículo de suspender o futebol popular por falta de pagamento do seguro; Os seniores têm de pagar uma parte dos seus passeios; O Parque empresarial não arranca; Passados dois anos, ainda não abriu concurso para a requalificação do Parque da Nossa Senhora das Dores; Os transportes das crianças pioraram; Os livros não chegaram a todos os alunos, etc., etc.

Alguém consegue perceber?!

Supostamente, a falta de obra aliada à diminuição de custos que a Câmara apregoa como, por exemplo, a diminuição de custos com o pessoal em cerca de 7%, deveria provocar uma diminuição da dívida. Isso não acontece. Porquê?

Mas, o grave é que há mais.

Ao admitir que a dívida ascende a 68 Milhões de euros, a Câmara esqueceu-se de acrescentar outras responsabilidades que entretanto vai ter assumir como a possível não comparticipação do Metro do Porto na obra de requalificação do Parque Nossa Senhora das Dores.

Lembram-se de ouvir que o Metro não vinha até à Trofa e em troca a Câmara iria receber o apoio de 5 Milhões de Euros para a requalificação do Parque Nossa Senhora das Dores? Pois bem, acham que a Câmara vai receber esse dinheiro? Será que a Câmara, fruto da demora da decisão em avançar com a obra, vai perder mais 5.000.000,00 de euros??!

Serão 68M€ ou 73.000.000,00 de euros? É mais?

Já agora, e volto a perguntar, quando a Presidente inaugurar as obras englobadas na dívida que anunciou em 2009 vai informar que as mesmas são da autoria do anterior executivo?

Afinal, quando é que a Presidente vai fazer obra da sua autoria? No final do mandato?

Será que o executivo não está a por em risco a sobrevivência da Trofa como Concelho?

 

Tiago Vasconcelos

{fcomment}