Cento e vinte caminheiros participaram na Rota da Fervença, que a ADAPTA organizou neste domingo, dia 28 de abril.

 “Quedas e mais quedas de água, com margens repletas de uma vegetação agradável”. Este foi o mote para a caminhada pela Rota da Fervença, que a ADAPTA – Associação para a Defesa do Ambiente e do Património na Região da Trofa organizou.

“Cento e vinte caminheiros”, distribuídos por “dois autocarros e carros particulares”, rumaram “bem-dispostos” até Valinhas, em Santo Tirso, para participarem numa “caminhada de oito quilómetros”.

Segundo o presidente da coletividade, Pedro Daniel Costa, esteve “um dia propício” para uma ida até “ao interior da natureza”, que é um dos locais “mais belos do País, tanto a nível ambiental como paisagístico”. Os caminheiros, com idades compreendidas entre os sete e os 70 anos, “deliciaram-se com as dificuldades” apresentadas pela “mãe natureza”.

“Tudo começou com uma caminhada, que logo se transformou numa escalada, serpenteada pelos participantes, que contornavam os enormes rochedos, teimosamente colocados para dificultar a atividade”, denotou.

Esta era uma atividade que tinha como objetivos proporcionar “atividade física” e, ao mesmo tempo, “impressionar” os participantes para “a beleza e urgência de preservar os cursos de água”, que são um “bem essencial à vida e que escasseia de dia para dia”. “Foi uma manhã bem passada e uma atividade com objetivo cumprido, tendo merecido por parte dos participantes grandes elogios e agradecimento por divulgar este paraíso mesmo à beira das nossas portas”, acrescentou.

No final a velha pergunta, quando é a próxima? A ADAPTA, em colaboração com o Aquaplace, está já a preparar a próxima caminhada, para o dia 26 de maio, onde se vai visitar locais “muito lindos”, mas agora no concelho da Trofa.