As noites do Porto são cada vez mais um grande cartão de visita para quem ao Norte se desloca para um fim-de-semana de animação. Depois do sucesso da edição do mesmo festival em Lisboa, a nova aposta recaiu na Movida do Porto.

Em troca de 40 euros, o custo do passe para os dois dias, os foliões/nas tiveram acesso a 40 concertos espalhados pela baixa da invicta. Os locais de acolhimento foram: Coliseu, Passos Manuel, Maus Hábitos, Garagem, Fnac Santa Catarina, Pitch Club, Ateneu Comercial do Porto, Teatro Sá da Bandeira e os emblemáticos cafés Guarany e Majestic.

A chuva lá abrandou e nem o derby dos eternos rivais Benfica/Porto, conseguiram afastar o público, que segundo a organização rondou os 8 mil nos dois dias. Por entre as ruas de Passos Manuel e Sá da Bandeira, um frenesim de entra e sai dos recintos para assistir as bandas de cabeça de cartaz como St. Vicent, Russian Band, Josh Rouse, Cass Mc.Combs e Niki and the Dove. A animação de rua foi uma constante com o eléctrico Vodafone e a sempre divertida Fan Farra que animava os transeuntes que degustavam com grande deleite as pipocas e algodão doce bem regadas com chocolate quente, oferta da Vodafone.

De destacar as bandas portuguesas os acrobáticos Salto, os Supernada do vocalista Manuel Cruz, o duo sensação Best Youth e a nova banda apadrinhada pelo Zé Pedro dos Xutos e Pontapés – Ladrões do Tempo.

Impróprio para saltos altos, a ideia segundo o organizador Luís Montez “é por a cidade a mexer…”, e sem duvida mexeu e de que maneira, para o ano quem sabe não há mais.

Texto: Adelaide Oliveira

Fotos: Miguel Pereira

Fotogaleria (clica nas imagens para aumentar)
    

    

    

    

    ~