Trofense já tem destino definido para o arranque do Campeonato de Portugal. O Leça FC é o adversário da equipa da Trofa na jornada inaugural da série C, que se realiza a 20 de setembro.

Definidas as oito séries que compõem o Campeonato de Portugal para a época 2020/2021, o CD Trofense ficou colocado naquela onde também estão três equipas da ilha da Madeira: Câmara de Lobos, União da Madeira SAD e Marítimo B. Vila Real, Amarante, Pedras Rubras, Paredes, Leça, Salgueiros, Gondomar e Coimbrões são as outras equipas que o clube da Trofa vai ter de defrontar ao longo da temporada.

Na segunda jornada, marcada para 4 de outubro, o Trofense recebe o Pedras Rubras.

Apesar de um longo período de interregno da competição, a equipa do CD Trofense já se prepara há muito tempo para a campanha 2020/2021. Em entrevista ao NT e à TrofaTv, o treinador António Barbosa confessou ter cumprido, no início desta semana, meia centena de treinos.

“Nesta fase inicial, procuramos definir objetivos a curto prazo, que é criar o melhor plantel possível de acordo com as nossas possibilidades e com o contexto em que nos encontramos. Estamos num campeonato muito competitivo, com 96 adversários diretos, ou seja, a disputa pelos jogadores é muito elevada e nós temos uma reformulação para fazer, porque ficamos apenas com sete jogadores da época transata”, explicou o técnico, que quis deixar uma palavra de “agradecimento” aos atletas que saíram, pela “postura e perseverança” nos momentos “difíceis” vividos ao longo da última época.

O paradigma, anunciou António Barbosa, “está a mudar”, graças ao “trabalho” dos “responsáveis do clube”, que permitiu desenvolver o projeto desportivo com tempo e com o qual, acredita, “os trofenses se vão identificar”.

Sem querer traçar, à partida, objetivos competitivos, o técnico sublinhou que é, importante, antes de tudo, garantir “regularidade” e “competência” para que os resultados pretendidos sejam concretizados e, depois, “à medida que o campeonato se for desenrolando”, ser possível “perceber o que se consegue fazer”. “Agora, o que podemos garantir é empenho e dedicação, sempre”, acrescentou.

António Barbosa não foge, porém, à segunda tentativa: a 2.ª Liga é o desejo maior. “É óbvio que toda a gente quer subir. Mas não nos vamos alimentar desse paradigma, porque, antes de mais, importante é criar uma equipa competitiva, orgulhar os trofenses e, jogo a jogo, perceber que temos em campo um conjunto de homens que vão atrás da vitória”.

O plantel ainda está aberto e António Barbosa admitiu disponibilidade para olhar para o mercado e atentar às oportunidades que poderão surgir para enriquecer o grupo.