Com a modalidade de karaté desde setembro de 2013, a Associação Recreativa e Desportiva do Coronado esteve representada na competição internacional, que decorreu na Maia durante o dia 12 de abril.

Foram “mais de mil os atletas” que estiveram presentes na Competição Internacional de Artes Marciais “Open da Maia de Karaté”, que se realizou no Pavilhão de Corim, em Águas Santas. Entre estes estiveram presentes nove trofenses, a representar a Associação Recreativa e Desportiva do Coronado (ARDC).

Segundo o treinador, João Filipe, três crianças “até aos dez anos” participaram na categoria Kata, durante a manhã, e em combate estiveram “três cadetes e três seniores”. “Para já, a prova poderia estar a correr melhor, porque não se conseguiu realizar pontos como se consegue nos treinos. O facto de estar na prova e o stress que há não está a ser positivo, mas vejo que a nível de gerir o tatame, táticas e técnicas estão mais soltos, conseguem mais facilmente competir e não combater”, denotou.

Para João Filipe, a participação numa prova internacional “é boa”, pois existe “um nível bastante bom” e “os miúdos são bons atletas”.

A modalidade de karaté existe desde setembro de 2013 na Associação Recreativa e Desportiva do Coronado, fazendo parte do Centro Nacional de Karaté Desportivo. A modalidade começou com “oito atletas” e atualmente conta com “cerca de 20 com idades compreendidas entre os seis e os 22 anos”. “Foi um ano de transição para a maioria deles, passagem de juvenis para iniciados, iniciados para cadetes, de cadetes para júnior, júnior para sénior. Por isso, não é propriamente fácil, mas de qualquer maneira vejo evolução e sinto que os atletas se sentem mais à vontade para competir”, garantiu, ressalvando que “a época está a ser positiva” e que no futuro espera que “melhore cada vez mais”.

Com 15 anos, o romanense Francisco Campos compete no karaté “desde os seis anos”, tendo, o ano passado, optado por ficar na ARDC depois de ter treinado em “muitos sítios”. As competições têm “corrido bem”, mas confessa que “às vezes perde”.

Já o romanense Rúben Moreira, de 22 anos, pratica a modalidade há “cerca de cinco anos”, tendo começado “um bocado de para-quedas”, mas como se “interessou e gosta”, garante, que “é para continuar mais tempo”. Quanto à época, contou que tem tido “momentos de tudo: uns bons, outros piores, mas não muito maus”.

As aulas de karaté decorrem às segundas e quartas-feiras, pelas 19 horas, no pavilhão gimnodesportivo da Escola Básica e Secundária do Coronado e Covelas, em S. Romão. As duas primeiras aulas são “gratuitas”.