O Gil Vicente venceu  o Trofense, por 4-2, em jogo da 30.ª e última jornada da Liga de Honra em futebol, tirando o melhor partido da expulsão de Helder Sousa num confronto que apenas serviu para cumprir calendário.

O Gil Vicente – cujos jogadores ameaçaram não jogar durante a semana devido a salários em atraso, tendo até faltado a alguns treinos – entrou melhor na partida e ameaçou as redes trofenses logo no primeiro minuto de jogo por intermédio de William que rematou por cima.

O Trofense não reagiu e parecia adormecido – apesar de estar em causa a luta pela melhor classificação possível, depois de ter ficado arredado da luta pela subida de divisão – e consentiu a hegemonia dos visitantes.

De uma assentada, o clube de Barcelos marcou três golos: Zé Luís assinou dois (aos nove minutos após passe de Owusu e aos 11 com André Cunha a centrar muito bem) e Rui Pedro fez o terceiro, aos 17 minutos, num remate forte de longe que não deu hipóteses a Marco.

A equipa orientada por Daniel Ramos respondeu de imediato, correndo atrás de um prejuízo inesperado e madrugador, e ainda conseguiu, antes do intervalo, reduzir a desvantagem para 3-1. Licá marcou o tento Trofense, aos 19 minutos, através de um remate cruzado que surpreendeu Márcio Ramos.

Até ao final da primeira parte predominou o equilíbrio com os locais a destacarem-se em alguns lances de perigo. Nota para o cabeceamento de Varela que quase resultava em golo, após livre marcado por David Caiado (45 minutos).

Por esta altura já a equipa da casa estava reduzida a dez unidades: Hélder Sousa viu o segundo amarelo por falta sobre Rui Pedro (22 minutos). Decisão exagerada do árbitro Hugo Pacheco que voltou a ficar mal na fotografia ao não assinalar uma grande penalidade que castigaria um encontrão muito duro de Varela sobre Rui Pedro na área do Trofense (60)

Na segunda parte o Trofense entrou como tinha saído para o balneário: com vontade de dar a volta ao resultado mas com muito pouco discernimento na hora de concretizar.

David Caiado foi um dos mais irrequietos e protagonizou várias tentativas de golo, bem como passes para o interior da área, como o passe para Reguila que desperdiçou, aos 54 minutos, uma oportunidade flagrante, atirando ao lado.

O conjunto orientado por Paulo Alves respondeu com um remate, de fora da área, de Pedro Moreira para as mãos de Marco (66). A pontaria dos gilistas estava mesmo afinada nesta tarde, para o provar Rodrigo Galo marcou o quarto golo dos visitantes, através de um livre que, depois de fazer um círculo, entrou direitinho na baliza de Marco (76 minutos).

O Trofense também voltou a marcar (aos 87) e, desta feita, quem sentiu o gosto do golo foi exatamente o jogador que, só na última jornada, sentiu o gosto ao relvado: Rafa entrou pela primeira vez na época a cinco minutos do fim do último jogo, encheu o pé e rematou de fora da área com convicção, estabelecendo o resultado em 2-4. 

Jogo no Estádio do CD Trofense, na Trofa.

Trofense – Gil Vicente, 2-4.

Ao intervalo: 1-3

Marcadores:

0-1, Zé Luís, 9 minutos.

0-2, Zé Luís, 11.

0-3, Rui Pedro, 17.

1-3, Licá, 19.

1-4, Rodrigo Galo, 76.

2-4, Rafa, 87.

Equipas:

– Trofense: Marco, Bruno Sousa (David Caiado, 39), Varela, Cláudio, Williams, Tiago (Rafa, 82), Filipe Gonçalves, Hélder Sousa, Romeu Ribeiro, Licá e Reguila (Maciel, 73).

(Suplentes: Vítor, Moustapha, Jorge Luíz, Maciel, Rafa, Pedro Ribeiro e David Caiado).

– Gil Vicente: Márcio Ramos, Daniel, Sandro, Kiko, João Cardoso, Pedro Moreira, André Cunha, Rodrigo Galo (Hugo Vieira, 83), Zé Luís, Rui Pedro (Alexandre Camargo, 68) e William Owusu.

(Suplentes: Hugo Marques, João Martins, Dágil, Alexandre Camargo, Cesinha, Alhandra e Hugo Almeida).

Árbitro: Hugo Pacheco (Porto).

Ação disciplinar: Cartão amarelo para Hélder Sousa (15 e 22), Rui Pedro (60) e Cláudio (75). Cartão vermelho por acumulação de amarelos para Hélder Sousa (22).

Assistência: cerca de 1000 espetadores.

*** Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico ***