metroporto.jpg

 

 

 

 

 

O metro ainda não chegou mas já fez correr quilómetros de tinta…negra.

As recentes noticias sobre o pedido de supressão desta linha e o cancelamento, já a partir de 1 de Junho dos transportes alternativos, está a deixar os trofenses preocupados.

 

“As recentes notícias que dão conta de uma eventual supressão da linha do Metro do Porto entre a Maia e a Trofa carecem de rigor e fundamento”. Esta é a posição da Câmara municipal da Trofa, relativamente aos rumores de que a linha de metro teria sido suprimida dos projectos da empresa Metro do Porto.

Depois de a CDU da Trofa, através de Paulo Queirós e Jaime Toga, ter, em conferencia de imprensa, alertado para a intenção da empresa de suprimir esta linha, a autarquia, através de um comunicado enviado aos órgãos de comunicação social fez saber que “ A Linha do Metro do Porto até à Trofa é uma prioridade absoluta, dizem-no os responsáveis da Empresa Metro do Porto e di-lo com clareza a Junta Metropolitana do Porto”, Estas são duas entidades com quem temos mantido conversações e contactos frequentes, pelo que da parte do Presidente da Comissão Executiva da Empresa Metro do Porto, Professor Oliveira Marques, e da parte do Presidente da Junta Metropolitana do Porto, Dr. Rui Rio, a posição é de manter o compromisso de concluir a 1ª fase da rede, com prioridade pela ligação à Trofa. Tudo o resto não passa de fantasia”, lê-se no documento.

Em resposta a um requerimento apresentado, em Janeiro deste ano, pelo deputado comunista Honório Novo, ao ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações a propósito das intenções do Governo de construir esta ligação do Metro da Maia até à Trofa, Mário Lino afirma que, "em Julho de 2005, foi proposto pela Metro do Porto a supressão" deste troço.

No documento, a que o NT teve acesso, o ministro Mário Lino respondeu, no início deste mês, que "o Governo, em conjunto com a MP e com a Junta Metropolitana do Porto (JMP), está a analisar esta extensão no âmbito da avaliação global do sistema de transportes da Área Metropolitana do Porto".

Em resposta à questão "quando pensa o Governo iniciar e concluir a obra", Mário Lino afirma que "o Governo, igualmente em conjunto com a MP e a JMP, está também a trabalhar na definição de uma estratégia integrada e sustentável de desenvolvimento da rede do metro e da sua exploração futura".

Em declarações à Lusa Honório Novo, a "assunção explícita por parte da MP e implícita do Governo dá entender que a não construção deste troço é uma solução assumida e ocultada".

A autarquia da Trofa vai mais longe e afirma que “em Março deste ano, esteve na Trofa uma comissão parlamentar de inquérito acompanhada pela Junta Metropolitana do Porto. Nessa altura, o presidente da comissão das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, Miguel Relvas, deixou claro que a chegada do metro à Trofa será uma realidade dentro de dois anos”.

Bernardino Vasconcelos esclarece que “o projecto inicial do Metro do Porto, contratado com a Normetro, previa a linha até à Trofa em via única. Uma situação que a Trofa considerou insuficiente para servir com qualidade e rapidez os 40 mil trofenses. Por isso, reivindicou a construção da linha em via dupla entre a Maia e a Trofa. Da parte da Comissão Executiva do Metro do Porto houve sempre abertura para esta reivindicação, tendo apresentado o respectivo projecto em via dupla, em Marco de 2003, no Ministério das Obras Públicas, Transportes e Comunicações” assegurou o autarca.
Na resposta do Governo ao deputado Honório Novo pode ler-se que "Esta avaliação (em relação alinha da Trofa) enquadra-se no âmbito do estudo da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, no qual se pretende, numa perspectiva dinâmica, identificar, para os diversos cenários de expansão do metro do Porto, as implicações sobre os restantes operadores e os ganhos para a mobilidade das populações e para a eficiência global do sistema", acrescenta-se no documento governamental.

Em resposta à questão "quando pensa o Governo iniciar e concluir a obra", Mário Lino afirma que "o Governo, igualmente em conjunto com a MP e a JMP, está também a trabalhar na definição de uma estratégia integrada e sustentável de desenvolvimento da rede do metro e da sua exploração futura".

Para Honório Novo, a "assunção explícita por parte da MP e implícita do Governo dá entender que a não construção deste troço é uma solução assumida e ocultada".

 

Transportes alternativos suprimidos a partir de Junho

 

 

transpotes_alternativos.jpgEm conferencia de imprensa, realizada na passada quinta-feira, a CDU da Trofa, alertou para o facto de, “a partir de 31 de Maio deste ano, os transportes alternativos que fazem a ligação Trofa-Porto, desde a supressão da via estreita do caminho-de-ferro, vão ser suspensos”. Para o comunista este “é um sinal claro de que a Trofa está a perder os poucos recursos que tem”, chegando mesmo a citar o documento remetido ao deputado Honório Novo, sobre o cancelamento da construção da Linha de metro até à Trofa”.

A CDU vai fazer um abaixo-assinado contra a supressão dos transportes alternativos e requereu ainda ao Presidente da Assembleia Municipal, Daniel Figueiredo, a convocação de uma Assembleia Municipal Extraordinária para debater a alegada anulação da construção da Linha do metro entre o Ismai e a Trofa.

Na ultima reunião de Câmara, aberta ao publico, Bernardino Vasconcelos garantiu estar a fazer todos os esforços para que os transportes alternativos não sejam retirados, enquanto o metro não chegar”.