As portas do Smed Museu, em S. Mamede do Coronado, abrem às 21.30 horas desta sexta-feira e sábado, 12 e 13 de setembro, para a 4.ª edição do Smed Fest, promovida pela Smed – Quebra Sentidos Associação Cultural, com o objetivo de “continuar a apoiar os artistas em Portugal”.

Os concertos, que estão marcados para as 22 horas, estão a cargo das bandas da região, como da Trofa, Vila Nova de Famalicão e Porto. Situado na loja seis do lote 54 da Rua Zona Industrial do Soeiro III, o Smed Museu recebe hoje as bandas Lux Yuri, Bang Bang Romance (Folk-rock, Indie, Blues) e Tommy the Cat (Rock N’ Roll). Já na noite de sábado, o espetáculo está a cargo das bandas Wild Apes (Indie Rock), Grandfather’s House (Blues e Rock) e da trofense Lyzzärd (Rock ‘n’ Roll, Hard Rock, Glam Metal, Heavy Metal).

Vítor Ferreira, membro da Smed – Quebra Sentidos Associação Cultural, afirmou que espera que este seja “um ano de afirmação, tendo em conta que o novo espaço, onde nunca foi realizado as anteriores edições”, e que as bandas participantes são da “zona do grande Porto” e de “localidades vizinhas”. “Esperamos ter o pessoal a apoiar os artistas da terra e que seja uma boa festa. Temos artistas que são do gosto da população, sempre à volta do rock e tendo isso em conta e o trabalho que temos feito anteriormente penso que as pessoas que nos conhecem nos vão seguir”, referiu.

Apesar da polémica com o concerto com bandas conotadas à ideologia neonazi, que aconteceu em julho, Vítor Ferreira pensa que isso “não” vai por em causa o Smed Fest. “Só colocará confusão nas pessoas que não nos conhecem, quem conhece o nosso trabalho desde 2011 sabe que não passou de um mal-entendido”, concluiu.

A entrada para um dia tem um custo de três euros, enquanto que um bilhete para os dois dias de concertos custam cinco euros.