A arte santeira é uma das mais importantes vertentes do artesanato de S. Mamede do Coronado, mas com o passar dos anos a tradição tende a ser esquecida.

Imagens idealizadas e esculpidas pelas mãos de artistas de S. Mamede do Coronado estão espalhadas por igrejas, mosteiros e conventos de todo o mundo. A arte santeira é uma das imagens de marca da freguesia e, ainda hoje, os santeiros mamedenses continuam a criar verdadeiras obras de arte.

Algumas oficinas fecharam as portas, mas outras vão resistindo ao tempo e os artesãos continuam a esculpir imagens religiosas. É o caso de Jorge Brás, que o NT/TrofaTv entrevistou durante a edição 2010 da ExpoTrofa. O escultor começou a trabalhar aos 14 anos e há mais de três décadas que se dedica à arte sacra. Actualmente, cria as suas obras no atelier de Boaventura Sousa Matos, um dos poucos que resta na freguesia; “Deixa-me muita pena que não existam mais pessoas a trabalhar”. “Somos das empresas que leva o nome da Trofa a todo o mundo e a tendência é que um dia esta arte acabe, porque não existem seguidores e não temos apoios de ninguém”, acrescentou.

As imagens são feitas de uma peça de madeira inteira, que os escultores vão trabalhando, dando-lhes vida e significado. Jorge Brás confessou que “é difícil explicar como se faz” uma peça. “É mais fácil mostrar”, garantiu, enquanto começava a talhar uma imagem de Nossa Senhora.

 

Santeiro de S. Mamede esculpiu imagem de Nossa Senhora de Fátima

José Thedim é, talvez, o mais conhecido santeiro de S. Mamede. Foi a partir das suas mãos que nasceu a imagem de Nossa Senhora de Fátima, que está na Capelinha das Aparições, no Santuário de Fátima.

Para criar tão importante imagem, o santeiro teve, inclusive, encontros com a Irmã Lúcia, que lhe explicou alguns dos pormenores das visões de Nossa Senhora. Depois desta obra, Thedim foi reconhecido internacionalmente e, em 1931, Pio XI atribuiu-lhe o título de comendador da Santa Sé.

Das suas mãos nasceu também a primeira imagem da Virgem Peregrina. Outras peças importantes na carreira do artesão mamedense são a imagem um S. João de Deus e uma versão da Pietá (obra do artista renascentista Miguel Ângelo).