Insolvência da empresa seria decretada a 6 de Julho, mas a Assembleia de Credores foi adiada. Responsáveis pela Máquinas Pinheiro garantem que “a intenção é manter a empresa”, por isso esperam investimento de um “sócio capitalista”.

Os responsáveis pela Máquinas Pinheiro Lda. continuam a “lutar” para não fechar as portas. A garantia foi dada por Miguel Pinheiro, um dos responsáveis pela empresa, que adiantou ainda que “nada está definido”. Isto porque a 6 de Julho, uma Assembleia de Credores, que tinha como objectivo decretar a insolvência da empresa “foi adiada por dez dias”, estando agora em aberto o futuro da Máquinas Pinheiro.

“A intenção é manter a empresa” que “continua a trabalhar”, no entanto Miguel Pinheiro frisou a “falta de trabalho”. “Há boas perspectivas de encomendas, mas há muita falta de trabalho, o que é normal neste sector. Todos os anos, com a aproximação do Verão e do final do ano, os negócios baixam”, acrescentou.

Mas o processo de insolvência tem como principal objectivo “a recuperação” da empresa. “A intenção do pedido de insolvência é para a recuperação da empresa”, confirmou Miguel Pinheiro, que espera agora a entrada na empresa de um sócio. “Estamos com um plano de negócios que prevê a entrada de um sócio capitalista”, explicou, sem adiantar pormenores.

A mesma fonte rejeita ainda o encerramento da empresa e confirma que depois do período de férias em Agosto a fábrica voltará ao funcionamento. Quanto ao pagamento de salários, “falta liquidar mais ou menos um mês”, aos 30 trabalhadores, mas Miguel Pinheiro explicou: “Agora estamos sem encomendas e estamos a pedir às pessoas para irem de férias e se chegar alguma encomenda, vamos tentar regularizar a situação”.

Recorde-se que em Setembro de 2009, 22 trabalhadores da empresa suspenderam os contratos de trabalho e já nessa altura os responsáveis da empresa admitiram que a Máquinas Pinheiro poderia passar pelo processo de insolvência.

A Máquinas Pinheiro Lda. é uma empresa produtora de máquinas para trabalhar madeira que nasceu em 1929.