No total foram 60 as pessoas que quiseram passar pelo Parque Nossa Senhora das Dores para saber mais sobre o seu estado de saúde.

Fernando Reis foi uma das sessenta pessoas que dedicaram cerca de 20 minutos da manhã do passado sábado para fazer um “check-up” à saúde. “Vi nos cafés que havia aqui hoje um rastreio e costumo aderir a essas iniciativas”, afirmou ao NT/TrofaTv para explicar o que o motivou a usufruir da sessão de rastreios promovida pelo Rotaract club da Trofa, que incidiram na medição da tensão arterial, colesterol e glicemia.

Também Alzira Barros aproveitou a passagem pela Trofa para parar no Parque Nossa Senhora das Dores e averiguar o estado da sua saúde. “Está tudo bem”, garantiu satisfeita.

Foram no total 60 os participantes rastreados que, na manhã de sábado, quiseram passar pelo Parque Nossa Senhora das Dores para participar nos rastreios promovidos pelo Rotaract, que contou com a colaboração de profissionais da CERMA, Clínica de Reabilitação Lda. e de Ana Teresa Silva, da Associação de Estudantes da Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto.

“Muitos dos problemas como a tensão arterial alta, colesterol e diabetes estão relacionados com os hábitos alimentares, que pretendemos que sejam saudáveis”, afirmou ao NT/TrofaTv Luís Filipe Moreira, presidente do Rotaract club da Trofa. A escolha do Parque para a realização dos rastreios foi uma “aposta ganha”, segundo o responsável, que referiu que são “três tipos de rastreios pelos quais as pessoas demonstram sempre interesse e querem no fundo saber como está a sua saúde, e mais do que isso, querem saber o que podem fazer através da alimentação para combater ou controlar estes problemas”.

A promoção dos rastreios de saúde insere-se num dos grandes vectores-chave de acção do Rotaract da Trofa. “Na saúde para além de já termos feito outros rastreios e a recolha de medula óssea fazemos agora estes rastreios e pretendemos também apostar na sensibilização na área da alimentação e educação, até porque também se ensinam os hábitos alimentares saudáveis apostando também na educação e na sensibilização das pessoas”, concluiu Luís Filipe Moreira.