Eleições-ACBougadense-66

Adalberto Maia demitiu-se do cargo de presidente do Atlético Clube Bougadense, na quarta-feira, 12 de março, dia de aniversário da coletividade. Também a equipa técnica do departamento de futebol sénior saiu de forma “solidária”.

No dia em que assinalou o 42º aniversário, o Atlético Clube Bougadense recebeu um presente envenenado. Adalberto Maia demitiu-se do cargo de presidente da direção, assim como os vice-presidentes Artur Ribeiro e Bruno Torres e os diretores Patrício Silva e Ricardo Ribeiro. A coletividade fica agora entregue a Hilário Duque, vice-presidente, até que sejam convocadas novas eleições.

Na carta apresentada a Vera Araújo, presidente da assembleia-geral, Adalberto Maia referiu que “devido a incompatibilidades, não é mais possível a minha permanência a partir desta data nesta filiação”. O NT contactou o agora ex-presidente que declarou que de momento não quer prestar declarações, remetendo explicações para mais tarde. Adalberto Maia apenas quis “agradecer aos sócios, simpatizantes, patrocinadores, Câmara Municipal da Trofa e juntas de freguesia por tudo o que fizeram pelo clube”, desejando “boa sorte” aos elementos que se mantêm.

Já os restantes demissionários alegaram “incompatibilidades e vida pessoal” e “compromissos profissionais” como razão para o seu afastamento do clube.

Na terça-feira,11 de março, Adalberto Maia deslocou-se ao balneário e informou os elementos que compõem a equipa sénior que ia abandonar a direção, assim como os outros quatro membros. O técnico Augusto Veloso e o adjunto Coelho decidiram também abandonar o clube, sendo “solidários com o presidente e os senhores Artur, Ricardo e Bruno”, segundo contou Veloso ao NT. “Sem o presidente, à partida, a minha posição ficava fragilizada”, acrescentou.

Depois de ser comunicada esta decisão, Augusto Veloso contou que “os jogadores estiveram a conferenciar”, mas “não sabe” se haverá “mais abandonos”.

O técnico mencionou que o clube “está viável”, faltando apenas “um ponto” para a manutenção, tendo ainda sete jogos e 21 pontos a ser disputados”.

Assim sendo, já não será Augusto Veloso a coordenar a equipa na jornada deste domingo, onde o Bougadense se desloca ao reduto do Pedroso. “O presidente abandonou e eu abandonei com ele. Em princípio no domingo não estarei, só se houver uma hecatombe. Claro que o clube vai precisar de jogadores e de treinadores para o jogo de domingo, mas não sei como estará a situação”, finalizou.

Contactada, a presidente da Assembleia-geral do clube confirmou ter recebido as cinco cartas de demissão, adiantando que os restantes membros da direção continuam a assegurar a atividade do clube até à assembleia-geral que será oportunamente marcada.